Autor de filme sobre Maomé está sob proteção da polícia

Publicação: 14 de Setembro de 2012 às 00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Los Angeles (AE) - O homem suspeito de produzir um filme de baixo orçamento que ridiculariza o profeta Maomé foi colocado sob proteção da polícia norte-americana depois de deflagrar uma violenta onda de manifestações pelo mundo. Jornalistas estavam reunidos ontem em frente à residência de Nakoula Basseley Nakoula nos arredores de Los Angeles depois de funcionários norte-americanos o terem identificado como diretor do filme “A inocência dos muçulmanos”. Não havia sinais de movimento na casa de Nakoula, um cristão copta de 55 anos que aparentemente colocou o trailer do filme no YouTube sob o pseudônimo de “Sam Bacile”, mas a polícia informou que ele pediu proteção. Familiares recusavam-se a atender à imprensa ontem. “Nós recebemos o pedido e respondemos a ele. Estamos fornecendo segurança pública e continuaremos assim”, disse Steve Whitman, porta-voz do xerife do condado de Cerritos, 40 quilômetros ao sul de Los Angeles.
khalil hampa/ap/aeQuinta-feira foi dia de protestos contra filme que insulta MaoméQuinta-feira foi dia de protestos contra filme que insulta Maomé

O pouco que se sabe sobre a vida de Nakoula é que ele foi condenado a um ano e nove meses de prisão em 2010 por fraude bancária. Ele foi considerado culpado de ter roubado milhares de dólares por meio do uso de nomes falsos e números reais do serviço de seguro social para obter acesso a crédito bancário. Autoridades federais norte-americanas investigam a possibilidade de Nakoula ter violado os termos de liberdade condicional, que proíbe o uso de computadores e da internet.

Segundo uma fonte nos serviços de segurança dos EUA, o governo norte-americano identificou Nakoula como o diretor do filme. Em entrevista concedida à Associated Press, Nakoula negou ser Sam Bacile. Existe a possibilidade de mais de uma pessoa usar o mesmo pseudônimo.

O filme que ridiculariza o profeta Maomé desencadeou uma onda de protestos em diversos países islâmicos e resultou na morte do embaixador norte-americano na Líbia, Christopher Stevens, e de mais três diplomatas em Benghazi.

Na quarta-feira, um homem identificou-se à AP como Sam Bacile, disse ser um corretor de imóveis judeu israelense e assumiu a responsabilidade pelo filme. Mas crescentes evidências mostram que ele não existe, a começar pelo fato de Israel não ter localizado registro de nenhum cidadão com esse nome. Nakoula disse à AP que “trabalhou apenas” na parte logística da companhia que produziu a película. No filme, Maomé é caracterizado como um mulherengo indolente, promíscuo e conivente com o abuso de crianças. Atores amadores proferem insultos disfarçados de revelações sobre Maomé em diálogos engessados, enquanto os seguidores do profeta são mostrados como um bando de idiotas.



Deixe seu comentário!

Comentários