Jornalista é vítima de atentado no interior do Estado

Publicação: 2012-09-16 11:50:00 | Comentários: 3
A+ A-
O jornalista Roberto Guedes, 60 anos, está internado em Natal após ser vítima de agressão na noite desse sábado (15), no município de Caiçara do Rio dos Ventos. Ele teve o veículo cercado por um grupo de pessoas que, segundo ele, seria ligadas politicamente a desafetos de Guedes. Os agressores apedrejaram o veículo da vítima e uma dessas pedras quebrou o braço de Roberto Guedes.
Valdir Julião/CelularO jornalista Roberto Guedes sofreu um atentado em Caiçara do Rio dos VentosO jornalista Roberto Guedes sofreu um atentado em Caiçara do Rio dos Ventos

O jornalista afirma que vinha sofrendo ameaças há alguns dias, inclusive de morte, por publicar notícias e comentários que contrariavam um candidato. Em entrevista esta manhã ao jornalista Valdir Julião [Tribuna do Norte], Roberto Guedes relatou o episódio e os momentos de tensão. Ele passou por uma cirurgia exploratória, no braço, mas deve se submeter a mais um procedimento reparador neste domingo (16).

Na versão apresentada pelo jornalista, houve duas situações de agressão. A primeira em um posto de combustível, onde supostamente foi abordado por correlegionários dos desafetos, que teriam cercado seu veículo enquanto proferiam insultos a Guedes. A agressão física ocorreu quando Roberto Guedes estava em frente à residência dele, onde mais uma vez foi cercado.

O grupo arremessou uma pedra de 25 centímetros de diâmetro contra o jornalista, que estava dentro do veículo. O retrovisor, o volante, e o braço de Roberto foram atingidos. Temendo pelo pior, decidiu sair em disparada para escapar das agressões, e nesse momento atropelou um dos algozes. “Jogaram um líquido amarelo no parabrisa do meu carro — não sei se era cerveja — que prejudicou minha visão no momento que tentei fugir das agressões”, justificou Roberto.

Roberto Guedes conta que foi perseguido pelos agressores em outros veículos através da rodovia federal BR 304, em direção a Natal. Quando aproximou-se à barreira da Polícia Rodoviária Federal, naquele município, foi obrigado a entrar numa contramão para ter acesso ao posto policial. Um patrulheiro, segundo ele, já estava com arma em punho para abordagem porque recebera denúncia de que Roberto havia atropelado uma pessoa e fugido sem prestar socorro.

O grupo que vinha em perseguição ao jornalista passou pela barreira fixa da PRF. Roberto Guedes prestou queixa na delegacia de Plantão da Zona Sul de Natal na noite de sábado (15). As supostas ameaças recebidas pelo jornalista motivaram Guedes a procurar a promotora da Comarca que atende ao município de Caiçara do Rio dos Ventos, Juliana Alcoforado.

Logo após a agressão, tentou prestar queixa na delegacia da cidade por volta das 20h30, mas não conseguiu porque o efetivo foi destacado ao policiamento de rua face à mobilização política naquele horário.

INQUÉRITO

O inquérito criminal sobre o atentado de que foi vítima o jornalista Roberto Guedes da Fonseca, 60 anos, será aberto na Delegacia de Caiçara do Rio dos Ventos, a 102 km de Natal, na região do Potengi. Mas, a vítima registrou Boletim de Ocorrência (BO) na Delegacia de Plantão da Zona Sul, diante do delegado Custódio Arrais Neto.

Roberto Guedes declarou na DP Zona Sul, em Candelária, na presença dos seus advogados Lúcio de Oliveira Silva e Marcos Martins Duarte, que antes das agressões sofridas, estava caminhando para a Igreja Católica local, onde havia pedido a celebração de uma missa “pela pacificação” política no município.

Antes de se deslocar à Igreja, viu que precisava reabastecer a caminhonete Ford/Ranger JPW-8911 em que estava e, antes do posto de combustível fechar, por volta das 20h15 foi para o Posto Frei Damião, ocasião em  que avistou várias pessoas em volta de seus veículos, e com o som supostamente em volume exagerado, tocando jingles de campanha de um dos candidatos de Caiçara do Rio dos Ventos.

Segundo o jornalista, essas pessoas, “fingindo amizade”, chamaram-no para que fosse até eles, mas, se dirigindo-ao local, passou a ser agredido verbalmente, para depois jogar contra o veículo em que estava latas de cerveja, paus, pedras e amassar o carro com barra de ferros.

Do posto de combustível, Guedes declarou à Polícia, que conseguiu se desviar das pessoas que o agrediam e, sem sair de dentro da Ranger, seguiu até a rua onde reside, mas uns 200 metros antes, viu que tinham montado um piquete. Ao desacelerar o carro, para enganar os agressores, voltou a acelerar e passou pela barreira, momento em foi jogado contra a caminhonete uma pedra de 25 centímetros de diâmetro, que ela afirmou ser a prova de que sofreu um atentado e que não avançou e nem atropelou ninguém deliberadamente, como quiseram alegar para a Polícia.

Guedes explicou, no leito hospitalar em que se encontra, que o inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Jota Souto, o qual estava sozinho quando chegou pedindo socorro, viu que, ao abrir a porta do veículo, caiu no chão a pedra que se encontrava entre a perna dele e a porta do motorista.

SINDICATO

O diretor de Formação Política do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do  Norte, Rudson Pinheiro, disse que a instituição “só tem a lamentar que nos dias de hoje um jornalista ainda sofra atentando por emitir a sua opinião, seja que ela qual for”.

Como o episódio ocorreu num fim de semana, Rudson Pinheiro afirmou que a direção do Sindjorn se reuniu para tomar uma posição oficial sobre o fato, que, segundo ele, “só demonstra que a democracia no país precisa ser aprimorada”, porque uma pessoa não pode sofrer ameaças só por expor sua opinião.

“Agora é esperar que as autoridades policiais investiguem o caso, para chegar aos mandantes e apurar o que de fato ocorreu, porque quem fez isso precisa ser, evidentemente, punido”. 

A nota do sindicato pode ser lida integralmente a seguir:

Nota de repúdio

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Norte repudia toda e qualquer forma de violência principalmente gerada como forma de intimidar jornalistas no exercício da profissão. É inadmissível que nos dias atuais pessoas não aceitem opiniões diferentes e achem que com violência poderão cercear a liberdade de expressão.

O Sindjorn se solidariza com o jornalista Roberto Guedes que sofreu um atentado nesse sábado, 15 de setembro. Segundo seu relato, em represália a críticas políticas que teria feito no município de Caiçara do Rio dos Ventos. É preciso que o fato seja apurado e que todas as medidas cabíveis sejam tomadas, seja por parte da polícia como também da Justiça. Não podemos admitir que coisas desse tipo tornem nosso estado um dos mais perigosos para o exercício da profissão de jornalista, profissão essencial para o exercício pleno da democracia e cidadania.

Por fim nos colocamos à disposição para acompanhar e cobrar das autoridades competentes uma solução para o caso, bem como prestamos total apoio ao jornalista agredido.

A Diretoria





Alterado às 13h27.


Deixe seu comentário!

Comentários

  • jaugusto-2006

    Este é o verdadeiro motivo para este ato covarde contra o nobre jornalista, ele por morar lá foi um dos primeiros a divulgar tal fato como segue abaixo a matéria: Notícia que chega do Ministério Público Eleitoral: polícias civil e militar, ao cumprirem um mandado de busca e apreensão na cidade de Caiçara do Rio do Vento, flagraram uma residência com material que aponta para prática de compra de votos em favor dos candidatos a prefeito e vice do município Felipe Muller (PP) e Conceição de Maria Gomes Lisboa, conhecida como Ceiça Lisboa (DEM). No local, foram apreendidos talonários de combustível e de material de construção com a relação dos beneficiários, inúmeras contas de água e energia elétrica em nome de terceiros, algumas delas com valores a vencer, caderno com o registro de valores pagos a eleitores, além de vasto material de campanha. O pedido de busca e apreensão foi feito pelo Ministério Público Eleitoral no RN, junto à 17ª Zona Eleitoral, após o recebimento de denúncias contra os envolvidos. O material apreendido está sendo encaminhado à sede da Polícia Federal em Natal que deverá instaurar inquérito policial para apurar os fatos.

  • stephanie_bsoares

    Século XXI. Estado Democrático de Direito. Liberdade de expressão. Poderia desenvolver qualquer uns temas para descrever o sentimento de indignação como cidadã comum ao ler esta triste matéria. Às vezes me pergunto que sociedade é essa que meus filhos - adolescentes - estão agora se inserindo e me vejo quase sempre assustada... Deixo aqui minha solidariedade a Roberto, pessoa ao qual tenho muita admiração e respeito como indivíduo e como profissional. Stephanie Soares

  • petmed

    ESsa eh a versao dele !!!!!