Mestres populares podem ganhar pensão vitalícia

Publicação: 05 de Julho de 2012 às 00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Tádzio França - repórter

Artistas que contribuem para a manutenção da identidade cultural do Estado ganharão novas oportunidades de continuar  a trabalhar e ter o devido reconhecimento. Entre os cinco novos editais que a Fundação José Augusto lança nesta quinta-feira (5) e publicados no Diário Oficial de amanhã, está o de ‘Registro de Patrimônio Vivo do RN’, voltado àqueles cuja arte está enraizada na cultura potiguar. Os demais editais, também inéditos, acenam apoio a trabalhos com grupos folclóricos, circo, teatro de João Redondo, cordéis, entre outros.
Alex RégisGrupos folclóricos podem participar de um dos cinco editais lançados hoje pelo Governo do EstadoGrupos folclóricos podem participar de um dos cinco editais lançados hoje pelo Governo do Estado

O registro de Patrimônio Vivo    oferece cinco vagas para contemplar duas pessoas físicas e três pessoas jurídicas, de artistas que atuam solo até grupos ou entidades. O valor é de 40 mil reais, que será divido entre partes diferentes para os contemplados. “Na verdade esse valor acaba por se tornar maior, já que para alguns será pago em forma de pensão vitalícia”, ressalta Isaura Rosado, secretária extraordinária de cultura do Estado.

O edital é uma proposição do deputado estadual Fernando Mineiro e um sonho antigo do folclorista Deífilo Gurgel. Esse tipo de reconhecimento ao trabalho do artista popular - que registra, reconhece e contribui para que ele se mantenha ativo - é semelhante ao que já vem sendo feito na Paraíba há dez anos. Isaura Rosado complementa que o benefício se limita à concessão de apoio financeiro, mensal e vitalício, não inclui condecorações oficiais e homenagens.

As inscrições para o edital de registro de patrimônio poderão ser feitas até o dia 10 de agosto, pela entidade, artista ou pessoas que trabalham com ele. A escolha dos contemplados ficará a cargo de pesquisadores, estudiosos e demais conhecedores dos segmentos da cultura popular. “O conselho deve  ser composto de pessoas com sensibilidade para analisar esse tipo de trabalho, já que na maioria são pessoas desconhecidas da maioria”, explica a secretária.

Segundo Isaura, os próprios editais definem como, onde e quando os artistas poderão se apresentar. “Às vezes são prêmios de circulação, e as apresentações são selecionadas num teatro, igreja, ou eventos como o Agosto da Alegria, por exemplo...depende do que define o edital. O apoio se estende a uma ou mais coisas”, diz. 

Outros editais: o Deífilo Gurgel se volta para apoio a grupos folclóricos, João Redondo e poetas populares, na área de formação, circulação, fomento, qualificação, estudos e pesquisas; o edital Palhaço Facilita de Apoio ao Circo Potiguar é o primeiro em seu gênero; e o edital Chico Traíra vai contemplar 10 títulos de cordéis com tiragem de mil exemplares.  

Serviço: Lançamento dos editais de cultura popular, hoje, 11h, na Fundação José Augusto. Informe-se no cultura.rn.gov.br



Deixe seu comentário!

Comentários