RN não recupera turistas nem investimentos

Publicação: 30 de Junho de 2012 às 00:00 | Comentários: 8
A+ A-
Andrielle Mendes - repórter

O Rio Grande do Norte não conseguiu reverter a queda do número de turistas estrangeiros nem recobrar o fôlego dos investimentos aplicados por pessoas físicas de outros países. No primeiro trimestre de 2012, os investimentos estrangeiros no estado caíram quase 30%, em comparação com o mesmo período do ano passado, e empurraram o RN, que já liderou o ranking nacional, do quarto para o quinto lugar entre os alvos de investimentos. Estados nordestinos como Ceará e Bahia passaram na frente e hoje estão atrás apenas de São Paulo. Na Bahia, o valor investido subiu 121,6% - crescimento quase oito vezes maior que o nacional.
Júnior SantosAeroporto Augusto Severo: recuo nos desembarques internacionais é um dos termômetros da desaceleraçãoAeroporto Augusto Severo: recuo nos desembarques internacionais é um dos termômetros da desaceleração

O Anuário Estatístico de Turismo 2012 – elaborado pelo Ministério do Turismo com dados de 2011 - também mostra recuo de quase 5% no número de estrangeiros que entraram no Brasil pelo Rio Grande do Norte no ano passado, em comparação com 2010. O número é 62,4% menor que o registrado em 2006, auge do turismo internacional no estado. Portugal, Espanha e Itália, que estavam entre os principais polos emissores de visitantes, enviam cada vez menos pessoas para o estado.

De acordo com George Gosson, vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no RN (ABIH/RN), o nível de investimento estrangeiro pessoa física está diretamente ligado ao fluxo de turistas internacionais. “O turista de hoje pode ser o investidor de amanhã”. A vinda em peso dos estrangeiros, relembra ele, movimentou o setor imobiliário e impulsionou o boom da segunda residência em 2006.

Para o vice-presidente da ABIH/RN, há vários fatores por trás da desaceleração no estado. “Os destinos que têm mantido ou aumentado o fluxo de turistas estrangeiros destinam mais recursos para divulgação”. Mas não é só isso. O grande fluxo de turistas que embarcam e desembarcam em capitais como Recife, Salvador e Fortaleza, concorrentes diretas de Natal, justifica o aumento do número de voos diretos.

A redução do número de voos charter (aeronaves fretadas que só decolam quando todos os assentos estão ocupados) também contribuiu para a queda. “As operadoras internacionais que operam voos charter estão menos propensas a assumir riscos com o fretamento de aeronaves”, diz Gosson.

A desaceleração, explica Jurema Dantas, diretora da Escola de Hospitalidade da Universidade Potiguar - que engloba Turismo e Hotelaria - implica em menos projetos, menos empregos e menos geração de renda. “A cadeia do turismo é muito grande. Quando há desaceleração, todos sofrem”, diz. O quadro, segundo Jurema e Gosson, pode ser revertido a longo prazo. Mas para isso será necessário investir em divulgação e infraestrutura.

Estado vai buscar emendas para aumentar divulgação

Há menos de um mês no cargo, o secretário estadual de Turismo, Renato Fernandes, reconheceu que o valor destinado à divulgação do estado nos polos emissores de turistas é baixo. Ele se reunirá com parlamentares potiguares na próxima semana para pleitear mais recursos.

Segundo Fernandes, há uma emenda que prevê R$ 27 milhões para divulgação do RN, dinheiro que nunca foi usado. A governadora Rosalba Ciarlini, segundo ele, também se comprometeu a destinar mais R$ 2 milhões para a promoção do estado dentro e fora do país. Ainda assim é pouco, confessa. “Fortaleza e Recife investem cerca de R$ 50 milhões só em divulgação. Natal investe cerca de R$ 4 milhões”, diz.

O valor investido pelo RN é doze vezes menor que o investido pelos principais concorrentes. “A gente sabe que a presença do turista está diretamente relacionada ao valor investido em divulgação”, reconhece Fernandes.

Jurema Dantas, diretora da Escola de Hospitalidade da Universidade Potiguar, concorda com o secretário. “Como os estrangeiros virão, se nem sabem que Natal existe?”, interroga. “É preciso vender o produto. E isso só pode ser feito com divulgação”, responde Fernandes. Como forma de reverter o quadro, o governo, diz ele, vai passar a divulgar o destino em outros polos emissores.

“A Europa, um dos grandes polos emissores de turistas para o Rio Grande do Norte, está passando por uma crise fenomenal. Vamos continuar divulgando o destino neste polo, mas vamos buscar outros também, é isso que os outros estados estão fazendo”, afirma.

A Copa de 2014, segundo George Gosson, da ABIH/RN, é a chance que o estado tem para frear a desaceleração. Durante o mundial, o número de turistas estrangeiros subirá para 84.979, de acordo com estudo encomendado pelo Ministério do Turismo à Fundação Getúlio Vargas (FGV). O fluxo previsto é o terceiro menor entre as 12 cidades-sede do Mundial, mas representará um incremento de 82,4% no fluxo de estrangeiros na capital potiguar. A ‘disputa’ pelos estrangeiros tem uma razão simples. Em geral, eles permanecem mais tempo no destino e gastam mais que os brasileiros.



Deixe seu comentário!

Comentários

  • geminiani42

    o turismo em natal esta caindo e vai cair ainda mais, nao é pelo fato da nao divulgaçao da cidade de natal. natal é conhecida demais aqii na europa. a queda do turismo é a propaganda enganosa dos hoteis, que sao carissimos nao valem os preços que cobram.natal nao tem hoteis para a classe A. as estrelas dos hoteis sao propagangas enganosas. o unico hotel que pode ser classificado como 5 estrelas è o SHERES. o hotel esmarelda nao pode ser um hotel de 4 estrelas, nem mesmo de 3 estrelas, è esse o maior problema de natal em confronto com fortaleza e recife.

  • jmof4

    É impossível se vender turismo com a cidade no estado em que se encontra. Basta presta atenção, sem muito rigor, a praia de Ponta Negra, ao mato tomando conta do calçadão da Via Costeira, a sujeira das praias dos Artista e do Forte, etc. É bom, também, ter cuidado para não se fazer propaganda enganosa, pois esta causa um dano quase que irreparável ao turismo.

  • marianotabaco

    o caso é o seguinte: moro em NATAL há 03 anos e a principal causa que afugenta os turistas é a ganância da cidade. Tudo é feito para explorar ao máximo os visitantes, desde hospedagem até as visitas aos pontos turísticos. Por esse motivo as pessoas que visitam NATAL dificilmente indicam a cidade para outras, que vão se migrando para outros pontos turísticos, onde são tratadas com respeito e consideração.

  • taisjordinvest

    Culpa de uma cidade que esta crescendo sem planejamento , a olhos vistos , tambem vim ao RN para investuir aqui e me decepcionei com as ruas abandonadas tanto na quantidade de buracos, falta de calçadas para os pedestres, o transito caotico, o problema de alagamentos , ruas mal iluminadas, o abandono completo do SUS, a educação precaria do povo, uma coleta de lixo de terceiro mundo. Voces acham que pessoas instruidas vao querer comprar alguma coisa pra investir aqui ou abrir alguma empresa ...Ja mandei meus investimentos para o Sul....aqui só fico por conta do clima ....Só queria saber quando alguem vai fazer alguma coisa , ou vao esperar a cidade ser esquecida....

  • jeanoliveiraso

    Meus caros: Sou muito novo pra falar, por ter pouco mais de 30 anos. Mas ainda sonho em ter um estado grande e competitivo em tudo. Existe ainda uma certa infra-estrutura meia que maquiada para ganho de votos nas eleições, só para mostrar que se há trabalho. Por outro lado, a verdade nua e crua. Policionamento existe muito pouco, nossas cadeias, são as piores. Prova disso são as fugas. Não se tem qualquer atrativo que traga novidade para os que moram aqui, como que os turistas vão vir a um estado que oferece sempre a mesma coisa, inclusive os assaltos para recepciona-los???

  • mauricyterra

    É impressionante uma cidade perder em pouco tempo 62% de turistas estrangeiros. E não me venham dizer que é a crise na Europa que provocou esse afastamento de turistas da cidade, pois os europeus continuam a viajar para Fortaleza , Recife e outras cidades do nordeste. Caso isso ocorresse com uma empresa, o presidente ou diretor da mesma teria sido demitido. Foi o que ocorreu há poucos dias com uma empresa brasileira de petroleo cujas ações cairam em dois dias cerca de 40%. Infelizmente, não se pode demitir uma prefeita ou uma governadora. Na minha opinião, 4 fatores contribuiram para essa redução de turistas: 1)- os preços em Natal (hoteis, restaurantes etc.) estão muito elevados 2)- a segurança está muito precária e vários turistas tem sido assaltados na orla da praia. 3)- a cassação dos alvarás dos prédios em construção em Ponta Negra, deram prejuizos a muitos estrangeiros. Logo quem vai mais investir aqui? 4)- tanto a cidade como as praias estão muito sujas e escuras. A cidade está muito abandonada. A deficiente iluminação aumenta a insegurança. Caso a cidade queira voltar a atrair turistas, dos quais a cidade depende muito, precisa eliminar pelo menos esses problemas.

  • simonrn

    quem quer visitar uma cidade que parece uma favela como natal? se ela é a porta de entrada e é feia, o que pensa o turista do resto do Estado.

  • vastohorizonte

    Quase tudo que está dito nos comentários condiz com a verdade mas também não podemos esquecer dos transportes públicos precários; táxi também pela hora da morte em função das pequenas distâncias; o "monopólio" de alguns tipos de serviços como por exemplo esse problema com os bugueiros que já vem se arrastando a um bom tempo e que ultimamente está piorando cada vez mais pois até o próprio habitante natalense tem receito de "peitar" os bugueiros com medo das consequências; dificilmente se acha um local com comida boa e barata e os hotéis sempre classificados com "estrelas" a mais do que o real.