Terapia EMDR ajuda a curar vítimas de traumas

Publicação: 2010-06-13 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Assaltos, sequestros, tiroteios entre policiais e bandidos. A rotina de violência das cidades  leva um número cada vez maior de pessoas a buscar ajuda de psiquiatras e psicólogos. Os especialistas, por sua vez, discutem o tema e adaptam técnicas para ajudar os pacientes. E uma terapia que está sendo bastante utilizada é a EMDR (sigla em inglês para dessensibilização e reprocessamento através de movimentos oculares).

Em Natal o método, criado pela psicóloga americana Francine Shapiro, nos anos 80, para tratar traumas, ainda não está muito difundido. E para mudar essa situação, será realizado  um treinamento para a formação em EMDR. O primeiro módulo será no período de 27 a 29 de agosto. Os outros dois serão no primeiro semestre de 2011.

“É preciso ser psicólogo  ou médico com especialização em psicoterapia para participar do treinamento. A EMDR é uma terapia que trabalha os dois hemisférios do cérebro, como por exemplo, estímulos ocular, auditivo e tático. Esses estímulos ajudam a diminuir o sofrimento provocado por lembranças perturbadoras”, explicou  a psicóloga Silvia Guz, que utiliza a terapia de EMDR na cidade. 

O treinamento será ministrado pelos psicólogos Esly Regina Souza de Carvalho e André Maurício Monteiro, únicos que possuem autorização da EMDR Institute (estados Unidos) para treinar os profissionais no Brasil. O investimento por módulo custa R$ 1.200,00 (à vista), R$ 1.300,00 (parcelado em quatro vezes).

O método de 'dessensibilização e reprocessamento através de movimentos oculares' envolve exercícios, como pedir ao paciente que acompanhe o movimento dos dedos do psicólogo de um lado para outro. Enquanto isso, o terapeuta pede que ele recorde a cena mais traumática do episódio de violência e pergunta que emoção está sentindo.

Um dos diferenciais da EDMR é a rapidez no aparecimento dos resultados. Segundo a terapeuta, geralmente não se passa mais de um ano com um paciente. Dependendo do trauma, é possível perceber melhoras logo nas primeiras sessões.

O tratamento pode ser feito em crianças e adultos. Mas devido à possibilidade de o paciente apresentar emoção intensa durante o processo, é importante que o estado de saúde da pessoa seja discutido previamente com o terapeuta, principalmente, em casos de problemas cardíacos ou gravidez.

O curso será realizado no Centro de Somatopsicologia, que fica na avenida Raimundo Chaves nº 1834, Lagoa Nova. Os interessados podem obter mais informações e fazer a inscrição através do telefone 9982-1839 ou do e-mail silviaguz@msn.com.

O treinamento é composto por três módulos de 20 horas cada um sendo que é preciso terminar todos os módulos para receber a certificação que vem do próprio EMDR Institute dos Estados Unidos e da Associação EMDR Iberoamérica. “Esperamos que mais profissionais possam se inscrever para essa nova turma que se abre na capital já que o EMDR oferece tantas possibilidades de mudar a forma de terapia, a forma de fazer consultório e ainda possibilita o rompimento do ciclo de violência na nossa população em geral, já que a violência gera violência, assim como o trauma gera trauma”, disse Esly Regina Souza de Carvalho.

Bate-papo
Esly Regina Souza de Carvalho, Psicóloga e instrutora do treinamento em EMDR

O que é EMDR?
O EMDR significa Dessensibilização e Reprocessamento por meio dos Movimentos Oculares (Eye Movement Desensitization and Reprocessing) porque permite a reativação do sistema de reprocessamento cerebral, onde as lembranças dolorosas são armazenadas. Representa uma mudança de paradigma na psicoterapia pela rapidez dos resultados, manutenção dos resultados através do tempo e o acesso direto à lembrança com possibilidade de reprocessamento/dessensibilização e subsequente arquivamento da lembrança no passado.

Há quanto tempo essa técnica é aplicada no Brasil?
No Brasil há terapeutas formados por colegas estrangeiros desde 2000 mas o movimento atual começou a tomar maior força em 2004, quando passamos a dar os treinamento em português e a possibilidade de formar novos trainers. Desde então há treinamento regulares em mais de 10 cidades brasileiras com mais de mil pessoas capacitadas nessa abordagem.

Como funciona o ‘tratamento” EMDR?
Pede-se ao cliente que se focalize nos elementos da memória traumática e aplica-se a estimulação bilateral (visual, auditiva ou tátil) segundo um protocolo de oito etapas. Isso promove o “diálogo” entre os hemisférios cerebrais e a “metabolização” (reprocessamento) do trauma. Em pouco tempo, o indivíduo tem a sensação de maior distanciamento da perturbação traumática. Espontaneamente começa a reavaliar a experiência a partir de uma perspectiva mais otimista. É comum que após o reprocessamento a lembrança do que antes era uma morte traumática perde seu poder de ferir e a pessoa é capaz de resgatar as lembranças de bons momentos. A partir dessas conquistas, a pessoa organiza-se melhor, passa a desfazer-se de sentimentos de culpa inadequados, consegue planejar um futuro melhor, a se permitir desejar coisas boas para si.

Para que casos ela é utilizada?
Inicialmente o método foi utilizado para tratar sequelas provocadas por Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), mas temos ampliado as possibilidades de intervenção. Além de quadros resultantes de ansiedade generalizada, fobias, síndrome de pânico, depressões, temos obtido resultados promissores com doenças psicossomáticas e aprimoramento de desempenho futuro.

Quais os benefícios práticos da EMDR?
Além de ter respostas mais rápidas que abordagens mais tradicionais, permite que o cliente trabalhe de uma forma mais protegida. Não é necessário falar sobre tudo que lhe aconteceu para sarar já que o reprocessamento acontece diretamente no cérebro e não na fala. As resoluções que se alcançam com o reprocessamento são definitivas e duradouras.

Qualquer pessoa pode passar pelo tratamento com EDMR?
Pode ser aplicado em adultos e crianças, sendo que crianças e adolescentes tem respostas muito mais rápidas  porque possuem menos “quilômetros rodados” em termos de redes neuronais. As respostas nessas populações costumam ser ainda mais rápidas e eficazes, sendo que a dificuldade maior é de ajudar a criança a pensar no incidente a ser tratado. Não é recomendável para psicóticos e esquizofrênicos. Para borderlines (pessoas com personalidade múltiplas) e bipolares há que fazer uma avaliação minuciosa para ver se há suficiente estabilização do quadro para a aplicação do método.

Quem pode aplicar o EMDR?
Psicoterapeutas devidamente capacitados e certificados por treinadores reconhecidos pelo EMDR Institute dos Estados Unidos (geralmente psicólogos ou psiquiatras, ou médicos com longa especialização em psicoterapia). Geralmente são certificados também por EMDR ibero-América em convênio com EMDR Brasil. Há perigo de dissociação ou re-traumatização do cliente quando o caso é mal manejado, por isso é tão importante ser tratado por pessoas especializadas, portanto tem que se certificar se o terapeuta tem as devidas credenciais.


Deixe seu comentário!

Comentários