Tiroteio e morte em Parnamirim

Publicação: 2011-09-06 00:00:00 | Comentários: 6
A+ A-
Valdir Julião
e Júlio Pinheiro
Repórteres

A população de Parnamirim está em choque. Na tarde de ontem, uma quadrilha assaltou o carro de uma rede de farmácias que fazia o transporte de dois malotes de dinheiro para o Banco do Brasil. Na ação, dois policiais militares à paisana, que faziam a escolta do funcionário que faria o depósito de aproximadamente R$ 130 mil, foram baleados durante intenso tiroteio. Um deles, o cabo Francisco Osmar dos Santos, de 48 anos, morreu no hospital Deoclécio Marques, para onde foi levado depois de ser alvejado no tórax e na cabeça. Até a noite de ontem, os policiais tinham recuperado um malote com R$ 92 mil e prendido um dos integrantes do bando. A polícia desconfia de que o bando já acompanhava o movimento da empresa na agência há alguns meses.
Policiais agiram rápido e conseguiram prender um dos assaltantes e recuperar malote com R$ 92 mil de rede de farmácia
Por volta das 15h de ontem, o carro da farmácia que fazia o transporte do dinheiro estacionava nas proximidades da agência do Banco do Brasil. De acordo com informações da Polícia Militar, estavam no Fiesta branco da empresa o cabo Francisco Osmar dos Santos, lotado na Guarda Carcerária, o soldado PM Anderson Carlos dos Santos, do 3º Batalhão, e, segundo a polícia, um funcionário da farmácia que depositaria o dinheiro. Antes mesmo dos policiais e do funcionário desembarcarem do carro, os bandidos anunciaram o assalto. Foi quando teve início a troca de tiros.

Acuados e em menor número, os dois policiais abriram fogo contra os bandidos. Porém, os criminosos conseguiram ferir os três ocupantes do veículo e pegar os malotes. Em poucos minutos o local já estava repleto de policiais militares do 3º Batalhão, que fica próximo ao Banco do Brasil. O socorro médico chegou rapidamente e resgatou os três ocupantes do veículo, levando-os ao hospital Deoclécio Marques. Lá, as situações do soldado Anderson Carlos e do funcionário da empresa (nome preservado) foram estabilizadas e os dois não correm risco de morrer. No entanto, o cabo Osmar faleceu às 17h20 devido à gravidade dos ferimentos. Enquanto isso, seguia a perseguição aos criminosos.

De acordo com informações levantadas pelos policiais, o bando escondeu os rostos durante toda a ação e fugiram separadamente. Um grupo decidiu fugir à pé e, poucos metros longe da agência, roubaram um Fiat Siena bege, que foi perseguido até a altura de Emaús, onde, segundo o policial que dirigia a viatura M-317 que faz a ronda policial da avenida  Maria Lacerda Montenegro, em Nova Parnamirim, o Siena foi interceptado e o bandido que dirigia o veículo foi baleado e preso, enquanto os outros dois criminosos seguiram para um matagal e não foram alcançados pelos policiais. O criminoso ferido foi levado também para o hospital Deoclécio Marques, onde foi medicado e passa bem. Contudo, não foram somente os dois bandidos que seguiram para o matagal que conseguiram escapar.

Outro grupo fugiu em duas motocicletas que utilizaram no assalto. Os veículos foram abandonados  ainda na Grande Natal, quando o bando roubou um Fiat Uno preto e seguiu até o município de Lajes, a 125km de Natal, onde abandonaram o veículo e continuaram a fuga de modo ainda desconhecido pela polícia. A ação surpreendeu os policiais pela ousadia.

O major Jair Júnior, do 3º Batalhão, de Parnamirim, foi um dos primeiros a chegar ao local do crime e lamentou o fato. “Entrar na marginalidade já é uma ousadia, ainda mais aqui, próximo ao Batalhão. A polícia agiu rápido e por isso conseguiu recuperar um dos malotes roubados”, explicou o PM, referindo-se aos R$ 92 mil recuperados no carro onde estavam os criminosos alcançados por uma viatura da PM.

Além do criminoso que foi preso, a PM deteve para a averiguação algumas pessoas que estavam nas proximidades do local do crime. Os policiais observaram pontos onde os bandidos poderiam utilizar como esconderijo e, inclusive utilizaram o helicóptero Potiguar I na ação, mas somente o criminoso que foi baleado em Emaús preso ao tentar fazer uma contramão pela rua calçada a paralelepípedo que vem da base aérea de  sai na BR-101, com destino a Natal.

Transporte de dinheiro era clandestino

O transporte de grandes quantias em carros de pequeno porte e sem a estrutura de segurança necessária é desaconselhada pela Polícia Militar. O comandante geral da PM do Rio Grande do Norte, coronel Francisco Canindé de Araújo Silva, referiu-se como “clandestino” ao transporte utilizado ontem para levar quase R$ 130 mil ao Banco do Brasil em Parnamirim.

Apesar de ser ilegal, é comum que policiais militares façam serviços extras durante os períodos de folga. Foi o caso dos dois policiais que estiveram no tiroteio no centro de Parnamirim. A polícia desconfia que os bandidos já estavam monitorando os horários e dias em que o carro da empresa fazia os depósitos na agência e, aproveitando a estrutura insuficiente que fazia o transporte, decidiram fazer o assalto. “Por serem policiais dentro do carro, acredito que os bandidos já sabiam que haveria resistência em caso de tentativa de assalto, tanto que estavam preparados e armados para o embate que, infelizmente, resultou na morte do policial”, lamentou  o coronel Araújo.

Especializado

Para se realizar o transporte de altas quantias, a orientação da Polícia Militar é que uma empresa especializada seja contratada, com segurança privada.  “É importante que as empresas entendam que há um serviço especializado para esse transporte e não queiram improvisar. É mais seguro para todos”, concluiu Coronel Araújo.

Cidade contava com reforço policial

O comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar em Parnamirim, tenente coronel Jair Júnior, chefiou a operação ostensiva na tentativa de capturar o grupo de assaltantes, que roubaram dois malotes de uma rede de farmácia. Ele disse que, por coincidência, a cidade estava com reforço policial, ontem à tarde, em virtude do desfile estudantil em comemoração ao dia 7 de Setembro. Jair Júnior falou ao TN On line no calor da ação:

O que houve realmente nessa operação?

Não foi assalto a banco, foi uma tomada de malotes de empresa privada, inclusive policiais que estavam de folga reagiram e  e aqui da guarda do batalhão, que prontamente reagiram porque o quartel aqui vizinho, os bandidos correram e inclusive recuperamos um malote com R$ 92 mil, foi contado e vai ser entregue à Polícia Civil.

Quais as providência depois da perseguição policial?

Minha prioridade foi isolar o local para evitar que inocentes saíssem feridos, liberar os clientes e os funcionários.

Os bandidos foram usados, em agir próximo ao quartel?

A marginalidade já é ousada em só por ser de criminosos. Mas a gente está pronto para isso, nossa profissão é essa enfrentar o crime, independentemente de onde seja o local, a está ai para dar segurança ao cidadão e felizmente não houve nenhum inocente ferido.


Deixe seu comentário!

Comentários

  • emersoncoophab

    Talvèz a zeladora do Congreço Nacional ou do Gabinete da Governadora mereça ganhar mais do que os policiais que estão em uma guerra continua em defeza da sociedade... Cadê os direitos humanos? Quando um policial morre em confronto com bandidos. Para alguns politicos não importa se é bandido ou cidadão de bem o que importa é o voto.. Não foi ousadia foi pura confiança no que estavam fazendo......

  • fernandes.natal

    E cada vez mais vemos Policias que em suas "folgas" estão sempre fazendo este tipo de serviço , mais que concerteza só fazem para ser um complemento de sua Renda ja que só com a micharia que é paga aos nossos Policiais eles tem que prestar esse serviços.

  • e_eli2000

    Acho que esse tipo de serviço(bico) teria que acabar ja que temos empresa especializadas para tal fins

  • danielbj28

    Bandido bom é bandido MORTO... Depois que inventarão um tal de direitos humanos os vagabundos estão se achando por cima da carne seca. Matam, roubam, estrupam e nos cidadãos ficamos preso em nossa prisão domiciliar. Isto é Brasil...

  • alex.natal

    e ai!! onde estar o'' TAL DE DIREITOS UMANOS '' se fosem bandidos que tivesem sido atingido em ação contra a policia estava o maior quebra pal não é? eu tenho nojo de voçes e quer saber sou pm to morrendo de medo de voçes voçes são asim 2 pesos e 1 medida !!!!

  • severino.filho

    Lamentável!!! Infelizmente no RN policiais militares precisam fazer serviços extras para sobreviverem.