Natal

Natal, 28 de Julho de 2014 | Atualizado às 15:23

Oito acusados do grupo de extermínio são soltos

Publicação: 14 de Fevereiro de 2006 às 00:00
Augusto César BezerraLÍDER - João Maria Peixoto, o LÍDER - João Maria Peixoto, o "João Grandão", continua preso
Nos últimos quinze dias, sete dos doze PMs presos em fevereiro do ano passado acusados de integrar um grupo de extermínio foram soltos por ordem da Justiça Estadual. Um civil também vai responder ao processo em liberdade. O juiz da 3ª Vara Criminal, Ivanaldo Bezerra, concedeu a revogação das prisões justificando que a detenção dos réus não era mais necessária à instrução do processo.

Foram soltos recentemente os policiais Thiago Vale Rabelo Teixeira, Márcio da Silva Bezerra, Graco Ludovico Cunha de Medeiros, Isaac Vale Rabelo Teixeira, Francisco Augusto Pereira, Carlos Costa Elias e José Teixeira Neto, além de Clelson Ferreira Marques, que não é policial. Outro PM, Roberto Gomes da Silva, foi solto há mais tempo. Todos eles aguardam a conclusão dos processos em liberdade. 

O juiz Ivanaldo Bezerra explicou que as prisões foram revogadas por uma questão técnica. “A prisão não era mais necessária à instrução criminal. A prisão, nesses processos, era francamente dispensável, porque as provas já foram produzidas”, disse. Segundo o juiz, todas as testemunhas de defesa e acusação, assim como os próprios réus, já foram interrogados, e as provas levadas aos autos. Assim, as prisões não seriam mais necessárias uma vez que todos os envolvidos já foram ouvidos e, por isso, na visão do juiz, não existe perigo de coação de testemunhas ou de prejuízos ao bom andamento do processo.

Em fevereiro de 2005, quando a Polícia Civil prendeu os PMs, foi divulgado que os policiais eram suspeitos de cerca de 60 mortes. Passados doze meses, apenas cinco mortes são apuradas em processo judicial. Um outro processo apura a formação de quadrilha do grupo de extermínio. A Polícia Civil, no entanto, garante que continua trabalhando para desvendar e provar a participação dos PMs em outros crimes de execução.

O juiz Ivanaldo Bezerra disse que os processos que tramitam na 3ª Vara Criminal estão em fase final, aguardando apenas a conclusão de algumas diligências pedidas pelos advogados dos acusados e pelo Ministério Público.

O ex-PM e detento João Maria da Costa Peixoto, o “João Grandão ou Pezão”, 35 anos, apontado como líder do bando, continua preso, assim como o irmão dele,  sargento Manoel da Costa Peixoto, o “Neo”, 35 anos. Eles são custodiados na Carceragem do Comando Geral da Polícia Militar, no Tirol, em celas especiais, com reforço no policiamento. Outro PM apontado como integrante do grupo de extermínio que está preso é o soldado Horácio Dantas de Oliveira, 33 anos, condenado pela morte da vendedora de fotos para turistas no Forte dos Reis Magos, Kadja Milena. Horácio Dantas responde ainda a  outro processo por homicídio.