domingo, 14 de abril, 2024
29.1 C
Natal
domingo, 14 de abril, 2024

Não há evidências de que experimentos feitos no Zimbábue possam gerar energia limpa e infinita

- Publicidade -

São falsas as afirmações feitas em um vídeo de que todo o mundo poderia ter energia limpa, gratuita e infinita citando uma suposta invenção feita por um homem no Zimbábue. De acordo com cientistas consultados pelo Comprova, é impossível que as ondas eletromagnéticas presentes no meio ambiente, como as do rádio, sejam transformadas em voltagem a ponto de alimentar um carro, por exemplo.

O conteúdo foi investigado pelos jornais Tribuna do Norte, Estadão e Correio, e verificado pelo Correio Braziliense, Uol, Band News FM, Folha de S. Paulo e Imirante.com, em parceria para o Projeto Comprova.

Conteúdo investigado: Em vídeo, uma mulher que não se identifica alega que todos poderiam ter energia gratuita, limpa e infinita, mas que a “elite do mundo não quer”. Ela se baseia em invenções de Maxwell Chikumbutso, do Zimbábue, que teria criado um carro, um helicóptero e um televisor elétricos sem necessidade de carregar baterias graças à uma máquina que produz, a partir das frequências eletromagnéticas, até 50 mil volts, o que poderia alimentar até 10 mil casas. Junto da narração são apresentadas imagens do homem e das invenções.

Onde foi publicado: Facebook, Kwai

Conclusão do Comprova: É falso que as invenções de um cidadão zimbabuano possam fornecer energia elétrica gratuita e infinita. Os experimentos atribuídos a Maxwell Chikumbutso nunca foram comprovados por cientistas independentes. O homem sequer divulgou como funciona exatamente o gerador de energia limpa que diz ter construído, informando, apenas, que a máquina utiliza um material que não pode ser divulgado por “segredo comercial” para gerar eletricidade a partir de radiofrequência. Em contato com Chikumbutso, o Comprova questionou se foram registradas patentes, mas ele respondeu somente ser o inventor dos dispositivos autoalimentados.

De fato, há estudos demonstrando que frequências de rádio podem ser coletadas e convertidas em energia, mas isso ocorre em quantidades pequenas, capazes de alimentar apenas pequenos eletrônicos. Físicos ouvidos pelo Comprova afirmam que é impossível que as ondas eletromagnéticas presentes no meio ambiente sejam transformadas em voltagem a ponto de alimentar um carro, por exemplo.

Além disso, para os especialistas, o conceito de “energia gratuita infinita” é, por si só, um “absurdo físico”, pois todas as transformações na natureza têm um custo, tanto natural, por necessidade de troca para que a energia seja captada, quanto financeiro, uma vez que são necessários investimentos para qualquer meio de produção e distribuição de energia.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma falsidade.

Alcance da publicação: O Comprova investiga os conteúdos suspeitos com maior alcance nas redes sociais. O post aqui checado teve 12,5 mil curtidas no Facebook até o dia 27 de fevereiro, além de 4,3 mil compartilhamentos. No Kwai, foram mais 12,7 mil visualizações.

Como verificamos: Primeiramente, procuramos informações, via Google, sobre o inventor citado no conteúdo aqui checado e as invenções atribuídas a ele. Em seguida, pesquisamos se esses produtos haviam sido testados por cientistas ou instituições independentes. Também entramos em contato com o homem e tentamos falar com jornalistas que acompanharam uma demonstração feita por ele. Por fim, consultamos físicos e estudos científicos sobre geração de energia.

Leis básicas da física impedem geração infinita de energia, dizem cientistas
No vídeo investigado, Maxwell Chikumbutso é apontado como suposto inventor de uma máquina que produz, a partir das frequências eletromagnéticas, até 50 mil volts, o que poderia alimentar até 10 mil casas. Mas de acordo com o físico Clemente Augusto Souza Tanajura, professor do Instituto de Física da Universidade Federal da Bahia (UFBA), é impossível que as ondas eletromagnéticas presentes no meio ambiente sejam transformadas em voltagem a ponto de alimentar eternamente um aparelho eletrônico de grande porte, como um carro elétrico, por exemplo.

“O vídeo diz que é possível tirar energia dessas ondas eletromagnéticas. O que eu digo é que essas ondas têm pouca energia a ponto de ele [o inventor] conseguir ter algum mecanismo de extração. São ondas com pouca energia, pois não são ondas de alta frequência, como é a radiação solar, que se propaga através de ondas eletromagnéticas”.

Atualmente, a energia solar já responde por quase 15% da matriz elétrica brasileira. No entanto, ela sozinha não é capaz de gerar energia infinita, gratuita ou mesmo 100% limpa, embora o impacto ambiental seja bem menor do que outras fontes, de acordo com Tanajura. “Para usar a energia solar, você tem que fabricar painéis fotovoltaicos. Isso tem um custo de mineração. E os painéis têm vida útil. Duram cerca de 20 a 25 anos. Depois, vai ter que repor e o que sobrou vira resíduo”. Além disso, não é possível gerar energia solar durante a noite ou em dias nublados, o que impossibilita a infinitude.

“De acordo com o vídeo, esse cara está querendo pegar uma radiação eletromagnética que está a todo momento fluindo no ar, seja pelo rádio ou televisão, por exemplo. E que disso é possível extrair eletricidade. Eu não vejo como, pois teria que ser uma energia brutal, radiações de altíssima intensidade para serem convertidas em eletricidade. Numa situação dessa, estaria todo mundo andando na rua e tomando choque”, explicou Tanajura.

Também do Instituto de Física da UFBA , o professor Victor Mancir concorda com o colega. “Se fosse da maneira como o vídeo apresenta, toda torre de rádio seria fonte infinita de energia. Essas radiações de radiofrequência, por si só, não são suficientes para desencadear processos capazes de fazer um carro se mover, por exemplo.”

Para o cientista, o conceito de “energia infinita” é um “absurdo físico”, pois todas as transformações na natureza têm um custo. “Para que todo processo ocorra, algo tem que ser trocado. Logo, energia infinita é como se tivesse alguma coisa que sugasse o tempo todo a energia que vem do nada e vai para lugar nenhum”, explicou Mancir.

Já Tanajura lembra que toda geração de energia tem custo de produção, o que também torna sem sentido o termo “energia gratuita”. “A usina hidrelétrica, por exemplo, se utiliza de água. Ela armazena a água em represas, que gastamos dinheiro para construir. A água fica armazenada e, quando cai, move uma turbina, que também precisou de dinheiro para ser produzida. E a energia é transmitida em cabos que também precisam ser mantidos. Então, mesmo a energia vinda da água da chuva, que seria uma fonte gratuita, precisa de investimento. O mesmo ocorre com a fotovoltaica e solar. As fontes são gratuitas, mas a produção tem custo. Portanto, é infantil o discurso do vídeo.”

Ondas de rádio podem gerar energia, mas para pequenos eletrônicos
Há diversos estudos demonstrando que frequências de rádio podem ser coletadas e convertidas em energia, mas capazes de alimentar apenas pequenos eletrônicos.

Conforme noticiado pelo Science Daily em 2021, por exemplo, uma equipe de cientistas da Universidade Nacional de Singapura e da Universidade Tohoku do Japão desenvolveu uma tecnologia que utiliza pequenos dispositivos para colher e converter as frequências em energia.

No estudo, os pesquisadores coletaram a energia usando sinais de wi-fi para alimentar uma lâmpada de LED de 1,6 volts. Atualmente, são feitas transmissões de informações por meio de ondas eletromagnéticas, como a rede wi-fi, cuja frequência de onda gira em torno de 2,4 GHz.

Ao Science Daily, o professor Yang Hyunsoo, do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação da Universidade de Singapura, informou que o resultado do estudo é um passo para transformar ondas de 2,4 GHz em uma fonte verde de energia, reduzindo, assim, a necessidade de baterias para alimentar eletrônicos. Contudo, ele se refere a pequenos dispositivos elétricos e sensores.

Algo semelhante é relatado pela Fundação Beneficente Optica a partir de um estudo da Universidade do Sul da Flórida, publicado em 2022. Pesquisadores desenvolveram uma antena para coletar energia de ondas de rádio e abastecer sensores, LEDs e outros dispositivos simples com baixos requisitos de energia.

O que se sabe sobre Maxwell Chikumbutso e suas invenções?
Alegações semelhantes à aqui investigadas foram objetos de checagens de agências internacionais ao longo dos últimos anos (Lead Stories, Snopes, Politifact, AP News e Usa Today). Todas as verificações informam que Chikumbutso fundou a empresa Saith Technologies no Zimbábue, na África, e que apresentou ao público três produtos: um carro elétrico, um helicóptero e um drone, todos com alimentação própria.

O evento ocorreu em 21 de julho de 2015, na capital Harare, e a realização foi antecipada pelo Techzim, um site do país voltado aos temas de tecnologia. No dia do evento, uma equipe do portal foi enviada ao local e outros três textos foram publicados.

O primeiro é um resumo do que foi apresentado, acompanhado de fotos do evento. O segundo é uma análise sobre uma discussão iniciada no campo de comentários do anterior, sobre as invenções serem ou não verdadeiras. Neste, o autor destaca não terem sido mostradas provas científicas das alegações feitas pelo suposto inventor.

O terceiro analisa cada alegação de Chikumbutso, inclusive sobre o “gerador verde”, que, segundo o fabricante, dá suporte a todos os outros produtos. Conforme a reportagem, o inventor alega que essa máquina expõe um material não divulgado pela empresa, alegando necessidade de “segredo comercial”, à radiofrequência, o que geraria energia. O site de notícias afirma não ter como confirmar essa afirmação e esperar que um fórum de cientistas a coloquem à prova.

O Snopes entrevistou o editor do Techzim, Leonard Sengere, que afirmou que o site nunca mais teve acesso ao inventor após o evento. Naquele dia, acrescentou, o carro elétrico e o gerador foram mostrados funcionando, mas não havia chance de alguém verificar exatamente de que forma. O Comprova tentou contato com o Techzim, mas não recebeu retorno.

O evento de 2015 teve cobertura, ainda, do canal South African Broadcasting Corporation e imagens deste trabalho ainda estão disponíveis no YouTube. Uma parte dessas gravações é usada no vídeo aqui checado.

O Lead Stories informa que a história apresentada por Maxwell Chikumbutso foi tema do documentário “Thrive II: This Is What It Takes”, de 2020, em que os cineastas afirmam ter sido apresentados ao gerador descrito como uma “máquina de energia verde fora da rede” e a um “dispositivo de energia microssônica” capaz de alimentar 300 residências.

Em uma página do site do documentário (arquivada aqui) há uma atualização sobre o tema afirmando que a pandemia atrasou a disponibilidade dos produtos da Saith Technologies e uma orientação para que se consulte o site da empresa, porém a página da Saith está inativa. Os responsáveis pelo documentário acrescentam que garantem a eficácia da tecnologia que examinaram, mas que, em junho de 2021, a empresa estava “gravemente inadimplente” na entrega de dispositivos comprados internacionalmente.

A agência de checagem, que publicou a verificação em fevereiro de 2023, afirma que chegou a entrar em contato com uma conta do X atribuída a Chikumbutso e recebeu como resposta que o homem ainda está trabalhando no projeto, mas de forma reservada “por causa das sérias ameaças à segurança na minha vida”. O perfil, contudo, ignorou os pedidos de evidências científicas sobre os dispositivos.

A reportagem também enviou mensagens para a conta de Chikumbutso no X, questionando se ele registrou patentes e por que até hoje essas invenções não se tornaram populares. Ele respondeu somente ser o inventor dos dispositivos autoalimentados.

E-mails foram enviados para o governo do Zimbábue perguntando se o país reconhece o funcionamento dessas invenções na região, mas não houve resposta.

O que diz o responsável pela publicação: A autora da publicação viralizada no Facebook não respondeu à tentativa de contato.

O que podemos aprender com esta verificação: É essencial aplicar um olhar crítico e cético quando se deparar com alegações extraordinárias nas redes sociais, como a criação de dispositivos que desafiam leis estabelecidas da física e, principalmente, que fazem promessas distantes da realidade, como a produção de energia gratuita, limpa e infinita. O cenário atual é justamente contrário a essa alegação, uma vez que crises energéticas são uma realidade em vários países por falta de insumos e há uma constante preocupação em encontrar fontes de energia sustentáveis.

Além disso, o simples fato de uma pessoa afirmar ter inventado algo não é suficiente para aceitar sua validade, sendo necessárias evidências sólidas e revisão por pares para confirmar a legitimidade de novas tecnologias ou descobertas, o que não ocorreu, até o momento, com os produtos anunciados por Maxwell Chikumbutso.

Informações sobre assuntos tecnológicos e, principalmente, quais as limitações deles, devem ser consultadas em fontes de qualidade, como relatórios científicos publicados em revistas conceituadas e reportagens em veículos de imprensa especializados.

Por que investigamos: O Comprova monitora conteúdos suspeitos publicados em redes sociais e aplicativos de mensagem sobre políticas públicas e eleições no âmbito federal e abre investigações para aquelas publicações que obtiveram maior alcance e engajamento. Você também pode sugerir verificações pelo WhatsApp +55 11 97045-4984.

Outras checagens sobre o tema: Conteúdos semelhantes a esse foram checados por Lead Stories, Snopes, Politifact, AP News e Usa Today. O Comprova já verificou outros assuntos relacionados à eletricidade, como o fato de a taxa sobre energia solar ter sido sancionada no governo de Bolsonaro, não de Lula, ser falso que o MST tenha destruído uma estação de energia no Amapá e que uma postagem engana ao relacionar apagão a decreto para compra de energia na Venezuela.

- Publicidade -
Últimas Notícias
- Publicidade -
Notícias Relacionadas