domingo, 14 de abril, 2024
29.1 C
Natal
domingo, 14 de abril, 2024

A cultura do jeitinho

- Publicidade -

João Medeiros Filho
Padre

Quando estudei na Bélgica, em várias ocasiões, ouvi de colegas europeus insinuações de que não há leis no Brasil. De forma irônica e generalizada, afirmavam: “Tudo não passa de uma brincadeira.” Falavam que, em nossa pátria, vigora apenas a “cultura do jeitinho”. E, com uma dose de crítica e empáfia, ousavam afirmar que nossa legislação lembra os adornos natalinos: reluzem, embelezam e encantam, mas apenas enfeitam. Aquilo que, à época, me soava como um acinte, hoje parece aproximar-se da realidade. Atribui-se a Charles De Gaulle a seguinte frase: “O Brasil não é um país sério.” Segundo alguns historiadores, a expressão é de autoria do diplomata Carlos Alves de Souza Filho. Pronunciadas ou não pelo ex-presidente francês, as palavras tentam rotular a nossa identidade cultural e nacional.


Na Europa, apesar de traumatismos pós-guerras, do pseudo-espírito de superioridade, dos problemas linguístico-culturais, político-sociais, migratório-populacionais etc., as instituições talvez funcionem melhor. Os cidadãos são formados no patriotismo, na obediência e disciplina. Não se joga lixo nas ruas; cumpre-se horário; observam-se filas, espaços para idosos, regras de trânsito. Estacionam no lugar indicado, sem invadir a vaga ao lado. São pequenos gestos que revelam a formação e índole de um povo. O meio ambiente e o próximo são altamente respeitados e valorizados.


É bem conhecido o ditado inglês: “The way you drive, the way you live” (O modo como você dirige diz como você vive). Na verdade, ao dirigir, mostra-se um pouco de si mesmo. Mas, bem longe dos semáforos, estradas, estacionamentos ou garagens, reside a origem de vários problemas brasileiros, dentre eles a incapacidade de conviver com o não. Às claras ou à sorrelfa, invadem-se espaços e tolhem-se direitos alheios. Esquece-se aquela lição de nossos pais: “Isso não pode, meu filho.” Estudiosos do comportamento humano dizem que nosso caso envolve uma negação sistemática (infantil?) de autoridade e limites. Na verdade, dizer ou ouvir uma negativa é desagradável ou constrangedor, seja para quem dá ou recebe, mesmo que necessário.


Apesar da decantada cordialidade e gentileza do brasileiro, muitos têm o hábito de escutar músicas com o som bem alto; abrem-se as janelas dos apartamentos ou carros, aumenta-se o volume. Isso porque acreditam que os vizinhos também vão curtir suas preferências musicais. Os veranistas que o digam! De forma irreverente e deseducada, colecionam-se pequenas transgressões até atingir o nível elevado, no qual se esbalda um número de pessoas, ignorando a ética, dilapidando o erário, sem o menor constrangimento. E talvez será pior no futuro, dizem alguns entendidos. Não se pode mais dizer “Isso não é permitido!”, para não traumatizar, tolher a liberdade e criatividade das crianças; tampouco se podem aplicar punições para não deixar marcas profundas. Há uma dificuldade grande para se ouvir e aceitar uma negativa, pois ninguém deseja ser contrariado. Cristo pregava: “Seja o vosso sim, sim; o vosso não, não” (cf. Mt 5,37). Esse ensinamento ainda não foi bem assimilado até agora por muitos. Há alguns meses, bandidos aterrorizaram e quase pararam o Rio Grande do Norte, alegando “indevidas” proibições ou interdições.


Certa vez, presenciei uma cena vexatória. Numa livraria-papelaria, uma senhora, aparentemente fina e elegante, pediu para xerocar um livro inteiro. Com bons modos, a funcionária da loja informou, discreta e cortesmente, que cópias de livros não são permitidas, ferem a lei dos direitos autorais. Ouviram-se desaforos pronunciados pela “gentil e chique senhora”. Essa saiu indignada, sacudindo sua vistosa bolsa Louis Vuitton (seria original, réplica ou genérica?). O valor do livro era um pouquinho mais alto do que o preço das cópias.

Como falar então de justiça, honestidade, cidadania e transparência, neste país, no qual sequer se consegue obedecer a regras e convenções, as mais comezinhas? Cristo afirmou para seus apóstolos: “Quem não é fiel no pouco, não será no muito” (cf. Mt 25,23). O que dirão atualmente alguns professores e diretores de escolas sobre impropérios de pais, cujos filhos são punidos por transgressão disciplinar ou rendimento acadêmico inexpressivo? Não se pode nem se deve confundir nunca cordialidade e informalidade com indisciplina e permissividade. A Bíblia diz: “Ensina ao jovem qual o caminho a seguir e ele não se desviará” (Pv 22,6).

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

- Publicidade -
Últimas Notícias
- Publicidade -
Notícias Relacionadas

PERSE