sexta-feira, 24 de maio, 2024
25.4 C
Natal
sexta-feira, 24 de maio, 2024

As colinas e a imensidade

Cláudio Emerenciano
Professor da UFRN

O mundo está permeado e confuso por vozes que se entrechocam. Muitas são convergentes e similares, outras tantas são divergentes e até sectárias. Há, entretanto, um clamor, que André Malraux, há anos, chamava de vozes silenciosas. Vozes que brotam do coração dos homens, reivindicando paz, harmonia, compreensão, tolerância, justiça, entendimento e sossego. As relações humanas, tanto entre conhecidos, quanto entre estranhos, deveriam pressupor civilidade, respeito mútuo, distinção. A humanidade, em sua grande maioria, quer exorcizar o mundo das vozes odiosas, irritantes, raivosas, hipócritas, falsas, irracionais, malévolas e mentirosas. Elas ignoram ou contestam o sentido maior da vida humana: o amor como elo infinito. Vínculo eterno entre Deus e o homem.
A caridade, tão esquecida nessa conjuntura planetária de consumo em massa e materialismo, sem ética nem moral, não é apenas de natureza material. De modo algum. Expressa essencialmente o gesto, a atitude, o ânimo e a postura de quem não discrimina ninguém, a todos tratando da mesma maneira por serem seres humanos. A comunicação, individual e social, seria uma espécie de arvore centenária, como o carvalho, assombreando a todos. As recordações compõem também vozes do coração. Em regra geral, as vozes que circulam nas redes sociais semeiam a intolerância e o confronto radical entre pessoas, grupos e nações. Não se busca serenamente a verdade, a paz e a lucidez. Pretende-se o domínio de uns sobre outros.
A mesma cena. A sensação de que aquele instante já tinha acontecido (o “dejá vu”). A percepção de que cada momento de felicidade, contraditando Vinicius de Morais (“Tristeza não tem fim, felicidade sim…”), não se exaure porque é eterno. É vivo infinitamente. Até pela saudade. É intemporal. Aloja-se no coração e na alma dos homens. Renova-se continuamente. Não se desfaz como a poeira das coisas indesejáveis, anti-humanas, que nada constroem nem engrandecem a vida. Existem. É verdade! São reais, perceptíveis e palpáveis. Irrompem em todos os lugares, tempos e culturas. Infelicitam, mas não ingressam no universo inesgotável do sentido da vida. São antagonismos, que desafiam a natureza e a vocação do homem. Intérpretes de textos sagrados chamam esse fenômeno de “legado de Adão”. Estigma e fonte de todos os erros, injustiças, misérias e contradições da humanidade. Mas a luz fulmina as trevas em todos os sentidos e circunstâncias. A escuridão significa, fundamentalmente, a dimensão do nada, do inútil, do sem sentido. Sucumbe ante a irradiação do menor feixe de luz. A verdade elimina a mentira, a farsa, a pusilanimidade, a felonia, as vaidades, as ambições. Eis, no fluir de todos os tempos, nada mais do que a face cruel, desperdiçada, vil e perdida de degradação da condição humana. Nessas contingências concordaríamos eventualmente com Thomas Hobbes (inglês), para quem o homem seria lobo do próprio homem. Mas Rousseau (suíço) se contrapôs com o primado da bondade e da mansidão.
As colinas apontam para o infinito. Os homens se projetam na imensidade. O amor, a caridade, a solidariedade, a justiça e a paz encaminham a humanidade para Deus. São folhas eternas, jamais destruídas. Nunca esgarçadas e destruídas. Sempre vivas. Emergem dos fundamentos divinos e universais da vida. O mal é uma folha morta. Não faz história. Não fecunda nem viceja. Seu destino é o esquecimento. Sua lembrança só reacende nas almas e nos corações a consciência dos tempos perdidos e mal vividos. Invoco meu tio-avô, Gothardo Netto, a quem não conheci, que foi original na prefiguração das folhas mortas: “Folhas mortas! Vos deixo às lufadas da sorte, como um bando augural de pássaros perdidos… Sem a sombra aromal dos pomares queridos, sem um raio de luz que as alente e conforte!”.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Últimas Notícias
Notícias Relacionadas