quarta-feira, 22 de maio, 2024
30.4 C
Natal
quarta-feira, 22 de maio, 2024

Jornal de WM

woden madruga [ [email protected] ]

A vinda do Papa
Na gaveta dos papéis desarrumados encontro uma carta de Veríssimo de Melo, datada de 7 de agosto de 1991, lá se vão 33 anos quase. Vai na íntegra:

“Natal, 7.8.91.
Woden: meu abraço.
Ninguém vê mais você. Desapareceu do mapa. A não ser na Tribuna. Mas, é pouco. É preciso que você saia na rua gritando: “Eu sou o Woden! Por favor, me olhem! ” Do contrário ninguém sabe o seu paradeiro.
Mando-lhe xerox da carta que acabo de receber do nosso amigo Prof. Hulet, de Los Angeles. Fica dado o abraço dele.
O que você prepara para a chegada do Papa? Já mandou fazer a roupa branca? Já comprou a fita com medalha da Congregação Mariana de Ulisses de Góis? É preciso fazer algo. Tenho dito a amigos que daqui a vinte séculos jamais se repetirá outra visita do Papa a Natal. Concorda? Só uma Papa viageiro como esse Paulo II teria coragem de vir a Natal: “Prá que? Prá nada! ” (Ascenso Ferreira). Então, é preciso fazer alguma coisa.
Eu lançarei, para vender entre o povão que virá de toda parte, meu ensaio “VISITA DO PAPA AO BRASIL, ATRAVÉS DA LITERATURA DE CORDEL”. É uma reedição. Reúne depoimentos de sessenta e tantos poetas populares do Nordeste sobre o Papa, a Igreja, os sofrimentos e misérias do nosso povo. É “trabalho limpo”, como dizia Itajubá dos seus originais que gostava. Quem vai editá-lo é o Prof. Paulo de Paula, através da APEC. (Novo mecenas natalense).
Dê uma nota a respeito. Não que o povo vá comprar e lê o que a gente escreve. Ninguém lê coisa nenhuma em Natal. É só para tomar conhecimento pelo jornal. Quem compra e lê é o povão de fora. Os católicos e turistas que virão de todo o Brasil. Vou fazer uma experiência: vou botar uma dúzia daqueles meninos que vendem limão nas paradas do trânsito para vendê-los. Já falei com alguns e eles ficaram entusiasmados. Minha mulher me diz que os meninos vão me enganar. Que importa? É mais uma dívida brasileira no conjunto geral…
Abrace os outros por mim e receba o afeto do Veríssimo.
PS – Veja aí uma boa frase do Prof. Etiene Semain, de Campinas, indagando se eu recebi o belo livro dele sobre os Kamayurá: “Tudo é possível neste Brasil que amo. ”
Veríssimo acrescenta um segundo PS: “Outra nota que você poderá dar, quando quiser: em fins deste mês de agosto será lançado na Bienal do Livro, no Rio, o volume “CARTAS DE MÁRIO DE ANDRADE a LUÍS DA CÂMARA CASCUDO – livro que eu organizei, fiz a introdução e notas. O livro chega na hora em que Cascudo (e Mário mais adiante) virarão dinheiro… É edição da Vila-Rica Editoras Reunidas, de Belo Horizonte. ”

Clementino Câmara

Para não esquecer: quarta-feira que vem, dia 17, lua em quarto-crescente, é o aniversário de nascimento (1888) de Clementino Câmara. Professor, jornalista, escritor, líder maçônico. Nasceu na Praia de Pipa, município de Tibau do Sul, naqueles tempos, Goianinha. Faleceu em Natal, 19 de setembro de 1954. Primeiro ocupante da cadeira 19 de Academia Norte-Rio-Grandense de Letras.

Livro

Maria Emília Wanderley lançou o seu novo livro, “Lugares em que ancorei minhas lembranças”, começo da noite de quarta-feira, no Yolla Gourmet, ares do Tirol, bela edição organizada por Ângela Almeida (incluindo suas pinturas) que sai com o selo da Lavradio. São memórias autobiográficas, ótima leitura. Apresentação de Cosma Linhares.


Muita gente na fila dos autógrafos, entre tantos o presidente da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, Diógenes da Cunha Lima. Mesas animadas, com taças bem servidas, salgadinhos e doces, encontros e reencontros, bons papos.


Maria Emília começa a boa conversa, assim: “Eu não tenho idade, o meu tempo é hoje. ”

Mais livro Pelas mãos de Paulo de Tarso Correis de Melo me chega o novo livro de poemas de Carlos Newton Júnior, “Redenção de Agosto”, que saiu com o selo da Editora Nova Fronteira, prefácio de André Seffrin.

Política Da analista política Miriam Leitão, de O Globo:

  • Todos os jornais citam a ausência da metade dos governadores e do presidente da Câmara, Arthur Lira, deputados e senadores aos eventos que marcaram, em Brasília, um ano da tentativa de golpe de Estado, no qual houve a depredação do Supremo Tribunal Federal, do Congresso e do Planalto. O demérito dessas ausências não fica para o evento em si, mas para a biografia desses políticos.
  • Ao escolher não participar, a mensagem que passaram é que não acham grave o atentado que aconteceu contra a democracia. O que depõe contra eles mesmo. E não venham dizer que não foram por o ato ter sido politizado, isso não é verdade. O evento sequer foi realizado no Palácio do Planalto, foi no Congresso.

Cordel Deu na coluna de Ancelmo Gois, de O Globo:

  • A exposição “Mancha de Dendê não sai – Moraes Moreira”, que teve sua abertura em dezembro no Museu Histórico da Cidade, na Gávea, ultrapassou 10 mil visitantes. Há um espaço no museu para que os visitantes mirins possam criar “cordel” com as informações sobre a exposição.
  • Moraes Moreira também era acadêmico: ocupava a cadeira 38 da importantíssima Academia Brasileira de Literatura de Cordel. ”

Chuva No Dia dos Reis Magos, 06, não choveu no Rio Grande do Norte. Mas, no dia 11, quinta-feira, começou a chover, pegando todas as regiões do Estado, alguns municípios com acumulado passando dos 50 milímetros: Passagem, 55, Brejinho, 52, Pedro Velho, 51, Cel. João Pessoa e Monte Alegre, 50.
Muita chuva na Paraíba, com municípios passando dos 100 milímetros: Ibiara, 118, Santana de Mangueira, 110, Conceição e Bonito da Santa Fé, 100. No Ceará a região com maiores chuvas é o Cariri: em Mauriti, 132, Barro, Milagres, 121, Missão Velha e Várzea Alegre, 100. Chove em toda a região cearense na divisa com o Piauí.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Últimas Notícias
Notícias Relacionadas