quarta-feira, 22 de maio, 2024
30.4 C
Natal
quarta-feira, 22 de maio, 2024

O voto feminino 1

Woden Madruga
[[email protected]]

Na gaveta dos papéis desarrumados encontro uma carta de Veríssimo de Melo, sem data. Mas, pelo jeito das coisas, acho que é dos anos de 1900. O mote é o voto feminino, uma conquista da democracia que começou no Rio Grande do Norte.

Vivi começa assim:

“Woden, aí vai uma nota a respeito do voto feminino, a propósito de um livro que recebi do Rio de Janeiro com a imperdoável omissão do pioneirismo norte-rio-grandense. Veja que a piada do fim é boa…

Estive ontem na casa do escritor cabo-verdiano Luiz Romano. Ele teve uma trombose – faz dias – e amanhã segue a Recife para fazer exame afim de saber se é preciso ou não submeter-se à operação de safena. Pediu-me encarecidamente que dissesse a você que está muito grato pelo o que fez em favor do filho dele, o Rafael.
Abraço do Veríssimo de Melo”.

Segue a nota:

“Woden: é triste constatar que o Brasil ignora uma das mais importantes conquistas do Rio Grande do Norte no campo do direito: o voto feminino concedido pela primeira vez à mulher na América Latina, no dia 25 de outubro de 1927, através da Lei n. 660, promulgada pelo Governador Juvenal Lamartine de Faria.

O art. 77 inclui o voto feminino. É a primeira lei brasileira que se refere ao voto da mulher.

Pois bem. Recebo agora o livro “O TRABALHO DA MULHER NA HISTÓRIA”, do escritor alagoano Floro de Araújo Melo, publicado este ano no Rio de Janeiro. É trabalho de pesquisa minucioso e paciente, mostrando a evolução dos direitos trabalhistas da mulher desde a antiguidade até nossos dias. No final do trabalho o autor coloca as Datas Marcantes dessa evolução, sem qualquer referência à lei norte-rio-grandense. Para ele, na América Latina, as mulheres conquistaram o direito de voto, pela primeira vez, no Equador, em 1929. Só em 1931 é que aparece o Brasil com a Lei Eleitoral da Segunda República, dando às mulheres o direito de votarem e ser votadas.

Acabo de escrever a Floro de Araújo Melo mostrando a imperdoável omissão em relação ao Estado do Rio Grande do Norte.

O que se pode fazer para divulgar os nossos pioneirismos pelo Brasil afora?

Tenho uma sugestão: nesses congressos nacionais que aqui se realizam – por que não colocam faixas no meio da rua registrando esses acontecimentos? Coisas assim: “NESTA TERRA A MULHER CONQUISTOU O DIREITO DO VOTO PELA PRIMEIRA VEZ NA AMÉRICA LATINA”. Não seria muito mais significativo do que certas faixas que o Motel Taiti vem espalhando pela cidade? Será que o nosso amigo Alcione não sabe disso? Ele que lida tanto com material feminino? Peço-lhe encarecidamente: quando você for ao Motel – naturalmente a serviço – sugiro isso ao Alcione…

Abraços, Veríssimo de Melo”.

Dominguinhos
Gostei muito desta nota publicada no UOL, no rastro do carnaval de São Paulo, com este título: “Bloco homenageia Dominguinhos e mistura carnaval e forró: ‘Tá bom demais! ”:

O Bloco Forrozin trouxe uma proposta diferente para o carnaval de São Paulo: a folia embalada pelo forró. O bloco passou por algumas das ruas mais tradicionais do centro de São Paulo, como Avenida Ipiranga e São João. O desfile fez homenagem a Dominguinhos, que completaria 83 anos nesta segunda-feira (12), e teve como tema “Isso Aqui Tá Bom Demais”.

Política
No descanso do carnaval natalense falou-se muito sobre política, olhos e oiças voltadas para a eleição de prefeito da Capital. Um dos motes foi a pesquisa do Instituto ‘Agora Sei”, divulgada no dia 8. O ex-prefeito Carlos Eduardo Alves (PSD) lidera com folga, aparecendo com 38% das intenções de votos, mais que dobro que tem a candidata do PT, deputada Natalia Bonavides, 15,5%.

Em terceiro lugar aparece o deputado Paulinho Freire (União Brasil) com 9,2%, seguido do general Girão (de acentuado sotaque bolsonarista), que gira ao redor de apenas 5%. Rafael Mota, PSB, 4,19%.

Doutor Gentil
Para não esquecer: dia 24 que vem, um sábado, é o aniversário de nascimento do doutor Gentil Ferreira de Souza (1901, na cidade de Santa Cruz do Inharé). Engenheiro, empresário da Construção Civil, professor do Ateneu, político (prefeito de Natal em 3 mandatos), vereador (2 mandatos), presidente do Aeroclube do Rio Grande do Norte, do ABC Futebol Clube, da Associação Comercial.

Como prefeito de Natal uma de suas principais obras foi a Praça Pedro Velho (1937), das mais bonitas de nossa aldeia. Doutor Gentil faleceu em 04 de novembro de 1962. Um grande potiguar.

Livro
Manoel Onofre Jr. está com novo livro na praça: “Na Academia”, reunindo discursos que pronunciou na Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, saudando novos imortais da casa fundada por Luís da Câmara Cascudo. São sete discursos, sete imortais, sete “perfis acadêmicos”: Pedro Vicente Costa Sobrinho, Paulo de Tarso Correia de Melo, Carlos de Miranda Gomes, Nelson Patriota, Jarbas Martins, Lívio Oliveira e Clauder Arcanjo Manoel Onofre Jr. ocupa a cadeira 5 da ANRL. Tem mais de 30 livros publicados.

Carnaval
Deu na coluna de Ancelmo Gois, de O Globo:

Mais der 58 milhões de brasileiros ficaram ligados na tela da TV Globo nos quatro dias de transmissão dos desfiles de carnaval dos Grupos Especiais de São Paulo e do Rio de Janeiro, uma média de 27,8 milhões de pessoas por dia.

Chuva
Semana carnavalesca e pós de chuva em todas em todas as regiões potiguares (de domingo, 11, a sexta-feira,16). Pelas contas da Emparn as chuvas mais acumuladas ocorreram em Mossoró, 102 milímetros, Currais Novos, 101, Luís Gomes, 94, Cruzeta, 81, José da Penha, 80, Campo Redondo, 78, Alto do Rodrigues, 67, Ipanguaçu, 58, Acari, 47, Major Sales, 45, Parnamirim, 43, São Rafael, 41. Açudes pegaram água, festa mais animada do que o carnaval.

Muita chuva também no Ceará e na Paraíba, os mesmos caminhos que elas percorrem até aqui.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Últimas Notícias
Notícias Relacionadas