sexta-feira, 21 de junho, 2024
25.1 C
Natal
sexta-feira, 21 de junho, 2024

O Milagre dos Balcãs

[Instagram @alexmedeiros1959]

Quem hoje vê a bela performance esportiva da Sérvia, Bósnia, Eslovênia, Croácia, Kosovo, Macedônia e Montenegro, logo imagina como não seria uma seleção de futebol com o melhor desses sete povos dos Balcãs com uma só camisa. Pois isto já ocorreu em tempos passados e o mundo soube louvar um dos mais bonitos estilos de jogo da Europa.

Houve um tempo em que a Iugoslávia impunha respeito, mesmo diante dos mais poderosos times da Terra. A partir de 1960, com a medalha de ouro nas Olimpíadas de Roma, a geração seguinte concebeu um jogador que seria elogiado pelos deuses.
Entre 1961 e 1979, um craque na mais pura essência maravilhou cada uma das tantas etnias que formaram a velha Iugoslávia. E suas façanhas com a bola atravessaram os Balcãs até atingir cada um dos continentes.
Dragan Dzajic tinha na força do nome um poder diabólico de atormentar os adversários com dribles fabulosos, para em seguida subjugá-los no tatame verde. Nem Bobby Moore, a intransponível muralha inglesa, conseguiu ficar de pé frente ao seu feitiço.
Dois anos após o título mundial da Inglaterra, quando as bombas explodiram nas ruas a partir das barricadas de Paris, e que o irlandês George Best ganhava a Bola de Ouro de melhor do mundo, Dzajic empurrava seu time até à final da Eurocopa de 1968.
Os ingleses tinham um trio que por si só já era suficiente para assustar os adversários: Bobby Charlton, Bobby Moore e o goleiro Banks. Pois Dzajic, depois de humilhar três marcadores e deixar Moore sentado, aplicou um chapéu histórico no maior goleiro do planeta.
A Iugoslávia avançou para a final contra a Itália, que tinha uma fantástica seleção com alguns dos maiores gênios que o futebol já produziu, como Dino Zoff, Riva, Sandro Mazzola, Domenghini e Fachetti. Todos juntos contra o dragão mágico.
Na véspera do jogo, o elenco iugoslavo expressava uma perturbação que era de toda a nação. Naquele dia, o presidente Josip Tito aprovara reformas sociais e políticas, após o país ser sacudido durante uma semana com distúrbios e passeatas.
Dzajic sozinho não conteria a máquina italiana, mas ainda carregou o time na abertura do placar, depois virado pela Azurra. Ao final da partida, o craque Fachetti surgiu no vestiário da Iugoslávia. Queria conhecer de perto aquele fantástico colega de profissão.
As jogadas e dribles do ponteiro do Estrela Vermelha de Belgrado ganharam fama muito rápido, ainda mais quando no começo de 1974 a Iugoslávia venceu vários amistosos, inclusive contra Alemanha e Holanda, que seriam finalistas da Copa.
Antes disso, seus feitos pelo lado esquerdo do campo chegaram ao Brasil, onde disseram que em Belgrado havia uma cópia avessa de Garrincha. Entre nossos gênios, o primeiro a confirmar foi o mago Didi, o arauto do título de 1958.
Na Copa do Mundo de 1974, a Iugoslávia deu um sufoco no Brasil de Leão, Rivelino e Marinho Chagas. Os avanços endiabrados e cruzamentos de Dzajic deixavam em pânico os tricampeões. A Iugoslávia foi a primeira colocada da chave, o Brasil em segundo.
Tornando mais solene ainda a classificação de “Dragão Mágico”, dada pela mídia inglesa, Pelé fez repercutir pelo mundo seu comentário real: “Dzajic é o milagre dos Balcãs, um verdadeiro mágico, que pena não ser brasileiro, pois nunca vi um jogador com tanto talento natural”. Hoje Dzajic faz 78 anos.

Antissemita Mais de 80 anos depois do presidente Getúlio Vargas flertar com o nazi-fascismo, o presidente Lula se aproxima daquele gesto retirando de Israel o nosso embaixador em nome de uma neutralidade fajuta que aceita o Hamas.

Coincidências Também naquele distante 1940, o Exército brasileiro importava armamentos da Alemanha nazista. E agora, no começo de maio, a nossa força terrestre suspendeu um protocolo para a compra de tanques obuseiros made in Israel.

Judiciário O ministro Alexandre de Moraes afirmou no discurso de despedida da presidência do TSE que o Poder Judiciário não se acovarda diante dos extremistas. É o mínimo para uma instituição pública que estoura gastos em 132,8 bilhões.

Saidinhas Agora que o Congresso contrariou o governo Lula e acabou com a saidinha de presos para passear em feriados, está na hora de brecar a farra das saidinhas nas universidades com milhares curtindo EUA e Europa às custas do erário.

Direito Do leitor Mister NM, ouvindo a conversa de dois advogados numa mesa matutina do Mercado da Seis: “A Organização dos Advogados do Brasil é hoje em dia só a OAB. E se brincar, nem isso”. É o perigo de presidências políticas.

Cinema Uma virose me deixou quatro dias na cama, que aproveitei para atualizar as novidades do streaming. Entre muitos que vi, destaco Guerra Civil, um filme onde o protagonismo é o jornalismo. É um Apocalipse Now em solo americano.

He-Man O ator Nicholas Galitzine, do filme Uma Ideia de Você, vai interpretar o bárbaro loiro He-Man na nova produção da Amazon MGM “Master of the Universe”, que será dirigido por Travis Knight, que dirigiu “Bumblebee”. Estreia em julho 2026.

Craques Que ninguém se iluda com a atual geração de jogadores ingleses só por causa daquele amistosozinho em Wembley. Três deles são os craques do ano em três ligas: Bellingham (Espanha), Harry Kane (Alemanha) e Foden (Inglaterra).

*Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Últimas Notícias
Notícias Relacionadas