quinta-feira, 18 de abril, 2024
26.1 C
Natal
quinta-feira, 18 de abril, 2024

Uma geladeira por Pelé

- Publicidade -

[email protected]

O aprendiz de cronista é guardião das migalhas das histórias que para a maioria nada significam. A crônica é olhada com desprezo pelo novo jornalismo, mas é a sobra da sensibilidade oxigenando a vida e expulsando as toxinas do cotidiano movido pela ganância, o pisar no outro sem piedade para superá-lo pela deslealdade.

Contar histórias, desde os tempos do acalanto das avós, ainda é o ansiolítico sem química de efeito moral, posto que nos anônimos e humildes, se expõe a vida de verdade comovente ou crucial.


Natal é desmemoriada. Seus mortos viram borrões na semana do sepultamento e recolhidos na alma dos viúvos e filhos, quando muito. Natal é cruel. Foi-se à época – arrebatada num vento sudoeste, de uns oferecendo ombros aos outros em emoções fraturadas.

A cidade deletou, ou suas gerações até 50,60 anos de idade, sequer ouviram falar em Gutemberg Marinho, diretor das rádios Trairi e Nordeste, amigo de duas lendas potiguares: os políticos Djalma Maranhão e Teodorico Bezerra.

Gutemberg Marinho, homem bom e homem pobre, amava o rádio, era alucinado por futebol e soube que Pelé jogaria amistoso pelo Santos contra o Santa Cruz dia 19 de maio de 1959, menos de um ano depois o Menino-Rei se tornar aumentativo de futebol. Iria porque iria entrevistá-lo.

Obstinado, combustível dos sonhadores, fincou pé e decidiu ir a Recife. Sem um tostão, vendeu a geladeira de casa, suficiente para custear acomodações modestas e alimentação controlada e levar a sua mulher, de traços delicados e mediterrâneos. Dona Maria Sônia de Lucena Marinho.

Cumpriram as seis horas de viagem no tranco do ônibus caindo aos pedaços na estrada, à época, irregular. Enfrentaram – estavam injetados de perseverança, a multidão em frente ao charmoso Hotel São Domingos, o melhor de Recife, ancoradouro de artistas de todo o mundo.

Em transe, sentimentalista empedernido, repetiu a história da geladeira vendida depois de insistir em relatar seu sacrifício à delegação santista. Sou cético, mas o milagre da santa loucura de um repórter fez Pelé atender o apelo de Gutemberg Marinho.

Reparem na fotografia, o olhar predador de Pelé no início da conversa, para depois ir cedendo, cedendo e sendo “muito simpático”, segundo a memória de Dona Maria Sônia, hoje aos 86 anos.

Confúcio ensinou: transportai um pedaço de sonho e fará uma montanha, bom mantra para Gutemberg e Maria Sônia. Estupefatos, viram, no Estádio da Ilha do Retiro, o Santos massacrar o Santa Cruz por 5×1, três gols de Pelé em atuação redundantemente extraterrena, Coutinho e Doval com Humaitá descontando para os tricolores.

Quem seria outro Gutemberg capaz de desfalcar a parca mobília em nome de um devaneio? Ninguém, porque ele foi um típico personagem de palavras pescadas. Foi porque morreu do coração no Dia dos Pais de 1966, diante de Maria Sônia e três filhos pequenos.

O mais velho, no ventre da mãe, na foto histórica da entrevista com Pelé. É o amigo médico, professor e apaixonado por política Joca Marinho, o solidário Joca, do antigo cursinho Hipócrates.

Gutemberg era um coronariano literal. Visionário indomável. Alguém que o aprendiz de cronista admira no afeto transcendental. Pela coragem de ontem, pela eternidade da solidão dos bravos. Dos que jamais perdem por antecipação. Aí, já é a sina do aprendiz de cronista.

Reforços no ABC Conversei com um dirigente alvinegro ontem e ele me disse, textualmente: “Precisamos, de, no mínimo, seis jogadores para sairmos da atual fase.” Disse isso e acrescentou: “Eric Varão ajeita o meio.”De fato, Varão pode até jogar de casa, via celular.

Treze O Treze é o sexto colocado no campeonato paraibano, que tem oito clubes participando. Na Copa do Nordeste, é o quarto colocado em seu grupo. Já contratou trinta jogadores, entre os quais, Thiaguinho, que já foi do Flamengo.

Recuo Dante de um adversário em fúria, o ABC deve adotar um sistema cauteloso, começando apenas com um atacante e o restante na defesa.

Marcelo e Eduardo Ato contínuo do novo diretor de futebol da SAF, Marcelo Santanna: Ligar para o conselheiro Eduardo Rocha. Os dois foram presidentes(Marcelo no Bahia), nos anos 2000. Eduardo se queixou dos resultados da SAF e disse que a responsabilidade de Marcelo é imensa.

Claro que é Ao novo dirigente do América, caberá a tarefa de devolver o respeito perdido. Uma pena que com os jogadores atuais, vai ser difícil. Ou a SAF mexe nos bolsos ou só um milagre tira o time da Série D, calabouço do futebol nacional.

Costa Rica O Costa Rica, ou Cobra do Norte como preferem seus torcedores, é vice-líder atrás do Operário no Campeonato do Mato Grosso do Sul. O Costa Rica foi fundado em 2 de dezembro de 2004 e ganhou os campeonatos do seu estado duas vezes, em 2021 e 2023.

Dunga e a grama sintética “Se a grama sintética fosse boa, a vaca comeria”(frase de Dunga, capitão do Tetracampeonato Mundial em 1994).

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

- Publicidade -
Últimas Notícias
- Publicidade -
Notícias Relacionadas