segunda-feira, 17 de junho, 2024
23.1 C
Natal
segunda-feira, 17 de junho, 2024

Ambev encerra atividades de envasamento no RN

A Ambev confirmou ontem, através de nota, o fechamento de sua fábrica no Rio Grande do Norte. Do total de funcionários que atuam em Natal, 50 foram demitidos, na última segunda-feira. No total, 120 funcionários da Ambev devem ser demitidos, segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Bebidas no Rio Grande do Norte (Sintibern). A decisão deve impactar outros 15 mil empregos indiretos, segundo a entidade.
Unidade da Grande Natal, que já chegou a envasar 6 milhões de litros por mês, está sendo desativada
Presente na capital potiguar há mais de 20 anos, a companhia  assegurou na nota que emitiu à imprensa, que “todos os pontos de venda e consumidores do Estado continuarão a ser atendidos, mas agora com bebidas produzidas em outros Estados”. A empresa justificou a falta da isenção de impostos e aumento do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para o fechamento da fábrica – a alíquota passou de 25% para 29%, após ser proposto pelo Governo do Estado e aprovado pela Assembleia Legislativa, no final de outubro de 2015.

O presidente do Sintibern, Mairlon Oliveira, afirmou que as demissões estavam previstas para dezembro do ano passado, mas iniciaram ontem, com o anúncio do desligamento de 50 funcionários. “A empresa já chegou a ter mais de 300 funcionários. Desses, 50 foram desligados ontem e mais 70 devem ser demitidos nos próximos dias. Tentamos negociar com o governo a redução de impostos, em 2013, mas infelizmente isso não aconteceu”, lamentou Oliveira.

A Ambev, que era a segunda maior empregadora na indústria de bebidas no RN, informou que o último dia de atividades na fábrica foi sábado (16). A maior empregadora continua sendo  a Coca-Cola, com 622 empregos diretos, porém o sindicato também confirma que a indústria de refrigerantes demitiu 40 funcionários este ano, alegando queda nas vendas e a necessidade de reduzir custos.

Em dezembro de 2015, a Ambev confirmou que continuaria com as atividades no Rio Grande do Norte por meio de seu Centro de Distribuição Direta (CDD) de bebidas, mas não havia informado se iria manter, também, a fábrica em funcionamento no estado.

A confirmação de permanência do CDD foi feita por meio de nota enviada à TRIBUNA DO NORTE em 15 de dezembro, um dia após o Governo do Estado ter divulgado que executivos da indústria “garantiram a continuidade das operações do grupo no Rio Grande do Norte com ampliação da central de distribuição e modernização da atual fábrica”. Os motivos que supostamente teriam levado a Ambev a desistir da desativação, no entanto, não foram informados.

Em 14 de dezembro passado, o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, se reuniu com o diretor de relações governamentais da Ambev, e garantiu que ficou estabelecida a manutenção da central de distribuição no RN, com uma posterior ampliação, através do incentivo fiscal, o que não ocorreu. A TRIBUNA DO NORTE tentou contato com a Secretaria de Estado de Planejamento e das Finanças (Seplan), mas até o fechamento dessa matéria não obteve nenhum retorno.

A Ambev estava no radar do governo do Estado. Tanto que numa entrevista à TN, publicada no domingo, dia 11, a coordenadora-geral do Sistema Nacional do Emprego (Sine/RN), Vanessa Figueiredo, citava a cervejaria, juntamente com a instalação de uma fábrica de cerâmica em Goianinha – e mais adiante o centro de conexões aéreas (HUB) da TAM – como os pilares da oferta de novos postos de trabalho no RN.

AMBEV NO RN
Números e outros dados

Chegada ao RN 1993

Recorde positivo
6 milhões de litros/mês.

Recorde negativo
1,2 milhão de litros/mês
Investimentos nos últimos 4,5 anos
R$ 31,4 milhões.

342
Empregados   

Produção
Brahma e Skol litrão

Últimas Notícias
Notícias Relacionadas