domingo, 14 de abril, 2024
28.1 C
Natal
domingo, 14 de abril, 2024

RN tem 14 projetos de parques eólicos offshore em licenciamento

- Publicidade -

Cláudio Oliveira
Repórter

Consolidado como um dos líderes nacionais de geração de energia eólica em terra, o Rio Grande do Norte segue para desenvolver projetos do gênero no mar. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (IBAMA) já recebeu 14 pedidos de licenciamento para a instalação de complexos eólicos offshore. Eles devem ser desenvolvidos na próxima década, a partir de 2030, e resultar, segundo prevê a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (Sedec/RN), investimentos na ordem de R$ 60 bilhões. Até lá, ainda é preciso resolver gargalos, como a regulamentação dessa fonte offshore e também a transmissão da energia que será produzida.


A quantidade de pedidos de licenciamento para áreas no mar do potiguar se iguala à do Rio de Janeiro e fica atrás apenas do Rio Grande do Sul, que teve 27 processos e do do Ceará, que soma 25. “A gente espera que, ao longo dessa próxima década, a partir de 2030, 2031, 2032 … vamos ter aí investimentos na ordem de R$ 60 bilhões para a implantação desses projetos aqui no Estado”, declara o coordenador de desenvolvimento energético da Sedec/RN.


Pela última atualização de processos de licenciamento ambiental de eólicas offshore abertos no Ibama até 18 de janeiro de 2024, os 14 parques somam um potencial para gerar 25,4 GW (GigaWatts). Eles se estendem pelo litoral Norte do Estado, entre as regiões onde ficam os municípios de Touros e Areia Branca. Contudo, nem todos deverão prosperar, pelo menos não nos locais pretendidos, uma vez que há pedidos de licenciamento de mais de uma empresa na mesma área. “Nem todos serão construídos porque estão disputando as mesas áreas. Aquele que tiver melhor competitividade, aquele que ganhar o leilão de cessão da área, que será feito pelo governo federal, após a regularização da fonte, deve ficar”, explica Hugo Fonseca.


O último pedido foi da empresa Total Energies Petróleo e Gás Brasil LTDA, com o projeto Sopros do Rio Grande do Norte, em água que correspondem o litoral desde Touros até São Bento do Norte. A empresa informou no projeto a intenção de gerar 3 GW. Contudo, a mesma área avança sobre trechos já pleiteados por, pelo menos, quatro outras empresas que entraram com pedidos de licenciamentos antes dela.


Somente da Petrobras, o IBAMA recebeu três pedidos para instalação de projetos offshore no litoral potiguar. A companhia pretende instalar os projetos Costa Branca I (1,45 GW), Costa Branca II (2,10 GW) e Ginga (1,06 GW), passando pelo mar de municípios como Galinhos, Guamaré, Macau, Porto do Mangue e Areia Branca.


“No ano passado a Petrobras encaminhou, junto ao Ibama, pedido para iniciar o processo de licenciamento ambiental de dez áreas no mar brasileiro com forte potencial para desenvolvimento futuro de projetos de energia eólica offshore, sendo três no Estado do Rio Grande do Norte. No âmbito da avaliação de viabilidade técnico-econômica, a produção de hidrogênio verde será uma das rotas comerciais consideradas”, destacou o Diretor de Engenharia, Tecnologia e Inovação da companhia, Carlos Travassos.


A companhia planeja investir US$ 5,2 bilhões em eólica e solar até 2028.

Estado tem potencial para ser grande produtor offshore

O empresário Sérgio Azevedo, que atua no mercado de energia eólica e preside o Sindicato da Indústria da Construção Civil no Rio Grande do Norte (Sinduscon), afirma que o Estado segue um caminho natural para ser um grande produtor de energia offshore. “A exemplo do que já é onshore, a gente tem muito potencial no mar também. Ter tantas empresas interessadas é exemplo das excelentes jazidas de vento que nós temos no continente e no mar, a qualidade do vento aqui da nossa costa é excepcional, então todo mundo está indo fazer projetos onde tem o vento de melhor qualidade”, comenta.


Ele ressalta que, assim como os primeiros projetos eólicos onshore saíram do RN quando foi dada a capacidade de escoamento, acredita que vai acontecer no mar potiguar. “A gente tem a questão das águas rasas, que é um diferencial porque o investimento na energia eólica offshore é mais barato quando você tem águas rasas; e temos uma geração de energia maior em razão do recurso éolico de qualidade. Então os projetos que estão aqui é porque o pessoal estuda e vê que aqui, de fato, é um dos melhores locais”, pontua o empresário.


Em todo País, o Ibama trabalha na análise de 96 processos de licenciamento de parques offshore. Conforme a nova atualização, caso todos entrassem em operação, o Brasil teria um acréscimo de 234,2 GW de geração de energia. Para dar noção da grandeza desse montante, dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apontam que o Brasil possui aproximadamente 200 GW de capacidade instalada centralizada na matriz energética para uso da população conectada ao Sistema Interligado Nacional.


O Nordeste lidera os pedidos de licenciamento de eólica offshore, com 48 pedidos, no que tem potencial para gerar 109 GW de energia. Depois vem o Sul, com 28 projetos e potencial de 75,3 GW, seguido do Sudeste, com 20 projetos e potencial de 49,9 GW de geração de energia.


O Conselheiro da Associação Potiguar de Energias Renováveis, Max Pereira, diz que o fato de várias empresas terem apresentado projetos e interesse em explorar energia offshore no RN, indica um futuro promissor. “A necessidade de geração de energia no mundo todo e principalmente renováveis, impõe a utilização de todas as formas de geração tanto em terra como no mar, em especial destacando-se a necessidade de energia renovável para a produção do hidrogênio verde, aquele gerado a partir de fontes exclusivamente renováveis, assim as eólicas offshore podem, em futuro próximo, atender a essa demanda”, destaca Pereira.


Nesse caso, a indústria offshore já conta com uma demanda garantida. O coordenador de desenvolvimento energético da SEDEC/RN, reforça que o novo mercado do hidrogênio verde que irá surgir nos próximos anos, já é apontado como demanda de carga para a produção offshore. “Os parques serão implementados ao longo dos próximos anos com a consonância para atender a energia das usinas de hidrogênio porque ganham uma escala em produção e, consequentemente, o custo se torna mais viável para atender essa demanda”, explica Hugo Fonseca.

Transmissão e legislação são desafios para setor

Apesar das boas perspectivas, dois pontos ainda precisam ser implementados para garantir que a indústria offshore prospere como o esperado: a questão da transmissão da energia produzida e a legislação específica para regular a fonte. No primeiro quesito, o Governo do Rio Grande do Norte se adiantou e garantiu um planejamento em parceria com o instituto Senai/RN que oferece aos investidores a garantia das áreas onde os empreendimentos poderão receber os cabos submarinos que vão transportar a energia produzida.


“O estudo já determinou as áreas que receberão esses cabos de transmissão. São onze pontos de Touros a Areia Branca onde poderão optar para receber esses cabos submarinos, sem prejudicar aspectos sociais, ambientais ou econômicos”, ressalta Hugo Fonseca, coordenador de desenvolvimento energético da SEDEC/RN.


Caberá ao Governo Federal determinar o tipo de estrutura de transmissão que será desenvolvida para esse tipo de geração. O segundo ponto está na regulamentação da cessão das áreas marítimas. Isso já está em tramitação no Congresso Nacional através de projeto de lei. “É justamente o marco legal para a produção de energia no mar. Enquanto essa lei não for aprovada, consequentemente não há regulamentação a nível Brasil que dê segurança para que as empresas possam investir”, aponta o coordenador.


O conselheiro da APER/RN, Max Pereira também destaca que as discussões relacionadas à legislação e outros temas que vão possibilitar a exploração do potencial offshore precisam avançar. “Mais uma vez o Rio Grande do Norte desponta com grande potencial de geração também no mar, porém se faz necessário a construção de infra estrutura portuária de apoio a essas operações”, frisa.


Para a presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEeólica), Elbia Gannoum, já existe uma busca por transmissão para o que é produzido, uma vez que o mercado se desenvolve mais no mercado livre, contudo, ela não considera um gargalo para o setor.

Projetos no IBAMA – RN
Pedra Grande – empresa Haliade-X – Potencia 624 MW
Maral – empresa Ventos do Atlântico – Potencia 2 GW
Alísios Potiguares – empresa Bosford Participações – potencia 1,8 GW
Ventos Potiguar – empresa Internacional Energias – potencia 2,4 GW
Beta – empresa Beta Wind Energias Offshore Spe – potência 3 GW
Água Marinha – empresa Bluefloat Energy do Brasil Ltda – Potência 1,7 GW
Cattleya – empresa Bluefloat Energy do Brasil Ltda – potência 1,1 GW
Projeto Galinhos – empresa Shell Brasil Petróleo Ltda – Potência 3 GW
Ventos do Caiçara – Empresa Monex Geração de Energia S.A. – potência – 1.9 GW
Sítio de Testes Senai – empresa SENAI/RN – potência 22 MW
Costa Branca I – empresa Petroleo Brasileiro s/a – Petrobras – potência 1.4 GW
Costa Branca II – empresa Petroleo Brasileiro s/a – Petrobras – potência 2.1 GW
Ginga – empresa Petroleo Brasileiro s/a – Petrobras – Potência 1 GW
Sopros do Rio Grande do Norte – empresa

TotalEnergies Petroleo & Gás Brasil Ltda – potência 3 GW

- Publicidade -
Últimas Notícias
- Publicidade -
Notícias Relacionadas