sábado, 18 de maio, 2024
28.4 C
Natal
sábado, 18 de maio, 2024

Mil maravilhas

- Publicidade -

Rio de Janeiro, RJ – Folhapress – O presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou ontem que a Copa no Brasil é um “sucesso” e que os receios de que haveria problemas durante o Mundial não se confirmaram. Para Blatter, “nada está errado. Tudo está correndo bem”. “Eu só não diria perfeito porque a perfeição não existe”, disse.

Blatter participou ao lado do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, da abertura do III Seminário de Gestão Esportiva, organizado pela FGV, no auditório da Maison de France, no centro do Rio.

O dirigente agradeceu ao povo brasileiro que, segundo ele, aceitou a Copa, mesmo com o clima de insatisfação social antes de a competição acontecer. Ele aproveitou para lembrar que não houve protestos muito grandes contra a Copa, a exemplo do que ocorreu na Copa das Confederações. “Essa é minha vigésima Copa e posso dizer que é um grande sucesso. Vamos cruzar os dedos para que os jogos continuem no mesmo padrão. Onde está a insatisfação social? Onde estão os grandes protestos? Eu preciso cumprimentar o povo brasileiro que aceitou a Copa”. Enquanto Blatter discursava, um grupo de pouco mais de dez manifestantes fazia um protesto contra a Fifa. Fantasiados e com faixas contrárias à Fifa, os manifestantes dançavam quadrilha e gritavam “fora a quadrilha da Fifa”.

Um contingente grande de policiais, com pelo menos quatro viaturas do Batalhão de Choque e cerca de 30 policiais com roupas reforçadas, estava posicionado na entrada do prédio onde ocorria o seminário. Tanto Aldo quanto Blatter deixaram o seminário por uma saída lateral do prédio. Não houve tumultos. Sem apresentar números, Blatter fez um balanço parcial do Mundial e foi só elogios à Copa no Brasil. Os estádios também foram elogiados. “Os jogos estão ocorrendo em estádios magníficos. O que foi feito nas cidades-sede é algo excepcional.” Blatter elogiou ainda a maneira como a população brasileira lida com o futebol que, para ele, se assemelha a uma religião. Em sua avaliação, essa relação de amor com o esporte tem contribuído para o sucesso da Copa. “O futebol pode ser mais que uma religião [no Brasil] e isso contribui muito para o Mundial. A Fifa está feliz de participar disso”, afirmou.

Sobre as zebras e desclassificações de seleções tradicionais, Blatter disse que não há mais “nações dominantes no futebol”. Em sua avaliação, o nível do futebol apresentado aumentou, o que não impede que erros sejam cometidos pelos jogadores e pela arbitragem. “Houve surpresa no campo de jogo. Não há mais nações dominantes. Isso está acabado. Todas as seleções estão no mesmo nível. Não me diga que o nível não cresceu. O futebol é ótimo, mas não é perfeito porque é jogado por seres humanos que cometem erros”, disse.

- Publicidade -
Últimas Notícias
- Publicidade -
Notícias Relacionadas