segunda-feira, 15 de abril, 2024
26.1 C
Natal
segunda-feira, 15 de abril, 2024

Mossoró: buscas por foragidos continuam com cerco em Baraúna

- Publicidade -

As buscas para localizar Deibson Cabral Nascimento e Rogerio da Silva Mendonça, detentos de alta periculosidade que fugiram do Presídio de Segurança Máxima em Mossoró na última quarta-feira (14), entram no sexto dia. Após receberem a informação de que os detentos teriam sido vistos em uma granja na cidade de Baraúna (próxima a Mossoró e na divisa com o estado do Ceará), forças policiais concentram as ações no município nesta segunda-feira (19). As informações foram confirmadas pela PM.

Ainda conforme confirmado pela PM, as forças policiais realizam barreiras de fiscalização nos arredores e também no interior da cidade. Um helicóptero realiza a varredura pelo alto. Policiais penais e federais também fazem buscas em áreas de mata, onde moradores da região relataram perceber uma movimentação suspeita. No último domingo, pegadas que apontavam para o rastro dos detentos também foram encontradas nas proximidades da RN-015.

Até a publicação desta matéria, nenhum dos criminosos foram capturados. As buscas seguem na região. Agentes descaracterizados também auxiliam nas buscas, em uma tentativa de capturar os foragidos de modo discreto. A fuga dos bandidos ocorreu às 3h da última quarta, mas os agentes só perceberam a ausencia deles por volta de duas horas depois.

Deibson Cabral Nascimento e Rogerio da Silva Mendonça possuem ligação com o CV, uma das facções dominantes no Acre, onde ficaram presos até setembro do ano passado. Os criminosos foram transferidos para Mossoró após terem participado de uma rebelião no Presídio Antônio Amaro Alves, na região metropolitana de Rio Branco, que resultou na morte de cinco detentos em julho de 2023.

A transferência foi feita a pedido do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Acre. Além de Deibson e Rogerio, 12 presos foram remanejados nas mesmas circunstâncias.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública afirmou na quinta-feira, 15, que cerca de 300 policiais trabalham nas buscas pelos fugitivos, entre agentes da Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e das polícias locais. Estão sendo usados desde drones a helicópteros na tentativa de encontrar os dois criminosos. Até o momento, porém, nenhum deles foi recapturado.

Várias barreiras foram montadas – apoio de fiscalização por helicóptero – buscas na mata – eles teriam sido visto ontem em uma granja – eles foram ao local, mas até a publicação desta matéria, não há a confirmação de que homens realmente estiveram ali.

- Publicidade -
Últimas Notícias
- Publicidade -
Notícias Relacionadas