sábado, 15 de junho, 2024
23.1 C
Natal
sábado, 15 de junho, 2024

Tribunal de Contas da União suspende licitação do TRE

Maria da Guia Dantas
Repórter

Um processo licitatório em curso no Tribunal Regional Eleitoral do RN (TRE/RN) para criação e manutenção de uma rede de comunicação multimídia foi suspenso, devido a uma suposta irregularidade, por determinação do Tribunal de Contas da União (TCU). Orçado até o limite de R$ 25 milhões (valor superestimado para o caso da ampliação dos serviços em três anos e elevação em até três vezes da velocidade da internet), o certame virou caso de Justiça. Isso ocorreu após a suspeita, por uma das empresas participantes da concorrência, de alteração no resultado final do processo, tudo devido à contagem dos números, calculado com base no valor global de cada lote, e não no unitário, como previa o edital.

A empresa Cinte Comércio e Serviços Ltda apontou as supostas irregularidades em dois dos quatro lotes programados. E registrou que, se computadas os valores das propostas como balizava o edital – considerando o valor unitário – sairia vencedora em pelo menos um deles. Ao alegar estar prejudicada, ingressou com representações contra servidores do Tribunal Regional Eleitoral do RN junto à Justiça Federal (JF), TCU e Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A ação originária da JF foi indeferida liminarmente pelo juiz Ivan Maciel. O  CNJ, por não atuar em demandas já judicializadas, arquivou inicialmente o procedimento, embora tenha retomado posteriormente face a desistência da demanda na Justiça Federal.
José Jorge acatou os argumentos da empresa que pediu a suspensão da concorrência
TRE

Entre as denúncias impetradas, a que chegou mais longe foi a do Tribunal de Contas da União, cujo ministro relator é José Jorge. A Cinte Comércio denunciou a diretora geral do TRE/RN, Andréa Campos; o assessor jurídico, Ênio Tavares; o coordenador do Controle Interno e Auditoria, Jorge Henrique de Almeida; o pregoeiro da licitação, Nazareno Fernandes Filho; e a empresa Interjato Serviços de Telecomunicações Ltda, vencedora de um dos certames.

Na denúncia, A Cinte relata que mesmo após constatar o erro e, ainda, diante da confissão do pregoeiro da existência do equívoco, o processo licitatório foi levado adiante, sem explicações plausíveis. De acordo com o fato narrado pelo próprio ministro José Jorge, #SAIBAMAIS# a diretora geral do TRE/RN ouviu a assessoria jurídica sobre a adoção de medidas acerca do erro constado no edital de licitação. E ao ser orientada sobre a não implicação dos critérios no julgamento final do processo, resolveu manter a competitividade nos mesmos moldes.

A Cinte Comércio e Serviços Ltda denunciou ainda que a Interjato não apresentou comprovante de aptidão para desempenho de atividade pertinente e compatível em características, quantidades e prazos da licitação. E que os 24 atestados e declarações apresentadas pela empresa comprovam apenas que ela presta serviço de conexão dedicada e que não faz parte de uma rede de conectividade WAN. Além disso, destacou que duas das declarações atestam que “há indícios de que a Interjato apresentou documentos falsos ou possuem conteúdo falso”.  O ministro do TCU considerou, ao acatar a denúncia, que “os indícios apontados pela representante (Cinte) – alteração do critério de julgamento das propostas no momento dos lances e habilitação indevida da empresa vencedora e de apresentação de atestados falsos – indicam a ocorrência de irregularidades que podem macular o certame analisado”.

Últimas Notícias
Notícias Relacionadas