terça-feira, 18 de junho, 2024
23.1 C
Natal
terça-feira, 18 de junho, 2024

No RN, 428 mil convivem com falta de comida de forma moderada ou grave

Dados do IBGE mostram que cerca de 428 mil potiguares convivem, em algum grau, com a fome. O número foi divulgado nesta quinta (25) pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua) e corresponde à quantidade de pessoas no Estado que afirmaram sofrer com a diminuição da quantidade de comida, no último trimestre de 2023, de forma moderada ou grave.


O IBGE aponta que o RN possui 167 mil pessoas em situação de insegurança alimentar grave e outras 261 mil pessoas em insegurança alimentar moderada. A escala utilizada pelo Instituto considera insegurança moderada quando as pessoas da família precisam diminuir a quantidade e qualidade da alimentação e pular refeições pela falta de alimento. Já quando há insegurança grave, as pessoas chegam a ficar sem nenhuma comida por um dia ou mais. Na insegurança alimentar grave, a privação do alimento atinge também as crianças.


A metodologia da pesquisa envolve um questionário sobre a situação alimentar do domicílio nos 90 dias que antecederam a entrevista. “A gente não fala de pessoas [individualmente], a gente fala de pessoas que vivem em domicílios que têm um grau de segurança ou insegurança alimentar”, destaca o pesquisador do IBGE Andre Martins.


Sobre o quantitativo de pessoas em situação de insegurança alimentar, o secretário adjunto de Trabalho e Assistência Social do Rio Grande do Norte, Adriano Gomes, explica que é um número “inquietante” e cita que o Estado tem investido em políticas públicas para mitigar esse número, como Programa do Leite e Restaurante Popular.


“Acredito que o Estado é capaz de tirar novamente o Brasil e os municípios do Mapa da Fome. A descontinuidade de políticas públicas foi que levou essa população para extrema pobreza e consequentemente para a fome. Estamos num processo de retomada. Até 2022 havia empurramento das pessoas para extrema pobreza, com desvalorização dos programas de transferência de renda, segurança alimentar e nutricional, a desconstituição do Conselho Nacional de Segurança Alimentar. Isso foi uma medida grave”, opina.


O secretário cita ainda que dados da pesquisa do IBGE classificam o Rio Grande do Norte como o estado do Nordeste com a melhor taxa domiciliar de segurança alimentar. No último trimestre de 2023, quando a pesquisa foi realizada, 66,6% dos domicílios estavam nessa situação.


“Esse dado do IBGE mostra que estamos numa tendência de garantia de segurança alimentar e de redução da insegurança alimentar leve, moderada e grave, porque quando olha-se os números do RN, a insegurança grave é o menor percentual do Nordeste”, explica.


No comparativo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, a proporção de domicílios potiguares em que as famílias têm acesso regular e permanente a alimentos de qualidade e quantidade, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, subiu de 59% para 66,6% em 2023, enquanto à de domicílio em situação de insegurança alimentar grave caiu de 7,6% para 4,9%.


“Em 2023 tínhamos 511 mil famílias no Bolsa Família. Agora em 2024 temos 502 mil famílias no programa. Há uma crescente no Governo do Estado com incentivo a geração de emprego, trabalho e renda e as famílias estão se emancipando e tendo acesso ao alimento, quer seja no incremento de merenda escolar, na volta do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Estamos num processo de retomada efetiva ao combate a fome”, acrescenta.


O professor e especialista em economia, Thales Medeiros Penha, aponta que um dos fatores que explicam a insegurança alimentar e o fato de ainda 428 mil pessoas passarem fome no RN está atrelada ao alto número de pessoas com baixa renda.


“No Brasil, há vários motivos que levam à insegurança alimentar, um deles é o acesso, que está vinculado à renda. Temos uma quantidade expressiva de pessoas de baixa renda. Cerca de 40% dos domicílios em média tem renda de R$ 514 para dar conta de todas as despesas, então esse é um dos fatores. Apesar dos programas sociais, que impactam positivamente, não alcançam todo mundo. E o valor não é suficiente para erradicar a insegurança alimentar em todos os seus níveis. O RN é um estado que, apesar de termos a maior renda média do Nordeste, ela é mal distribuída. Temos concentração de renda nos 10% mais ricos, então temos uma quantidade de pessoas em baixa renda e vulnerável muito elevada. É um cenário do Norte-Nordeste”, acrescenta.


No quarto trimestre de 2023, tendo como referência os três meses anteriores à data de realização da pesquisa, dos 78,3 milhões de domicílios particulares permanentes no Brasil, 72,4% (56,7 milhões) estavam em situação de segurança alimentar, ou seja, tinham acesso permanente à alimentação adequada. Essa proporção cresceu 9,1 pontos percentuais (p.p.) frente à última pesquisa do IBGE a investigar o tema, a POF 2017-2018, que havia encontrado 63,3% dos domicílios do país em situação de segurança alimentar.


No entanto, 21,6 milhões de domicílios (27,6%) eram afetados por algum grau de insegurança alimentar. A forma mais grave englobava cerca de 3,2 milhões de domicílios (4,1%). Os dados são do módulo Segurança Alimentar da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgado hoje, 25, pelo IBGE.


A proporção de domicílios em segurança alimentar havia atingido nível máximo em 2013, (77,4%), mas caiu em 2017-2018 (63,3%). “Após a tendência de aumento da segurança alimentar nos anos de 2004, 2009 e 2013, os dados obtidos foram marcados pela redução no predomínio de domicílios particulares que tinham acesso à alimentação adequada. Em 2023 aconteceu o contrário”, explica André Martins.

Últimas Notícias
Notícias Relacionadas